PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro

Guerra na Ucrânia eleva demanda e preços de exportação do frango

Demanda no exterior por frango brasileiro está aumentando e os preços de alguns cortes subiram pelo menos 10% desde a semana passada

Guerra na Ucrânia eleva demanda e preços de exportação do frango
Por Tatiana Freitas
08 de Março, 2022 | 08:24 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Os preços do frango do Brasil, o maior exportador mundial, estão subindo no mercado externo e isso se deve à guerra na Ucrânia.

A Ucrânia é o sexto maior exportador de frango e, à medida que a invasão russa interrompe os embarques do país, os compradores estão se voltando para o mercado brasileiro como alternativa.

PUBLICIDADE

A demanda no exterior por frango brasileiro está aumentando devido à guerra e, como resultado, os preços de alguns cortes subiram pelo menos 10% desde a semana passada, disse Luis Rua, diretor de mercados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

“São novos patamares de preços”, disse ele.

O frango é o exemplo mais recente de como a invasão russa da Ucrânia abala os fluxos comerciais de produtos agropecuários, metais e energia. Os dois países são importantes fornecedores de uma ampla gama de commodities, de trigo a níquel e petróleo, e grande parte do comércio do Mar Negro está paralisado. Os preços mais caros do frango brasileiro também dão uma nova contribuição à inflação global de alimentos.

PUBLICIDADE

A Ucrânia compete com o Brasil na venda de peito de frango para a União Europeia, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, disse Rua. A nação invadida exportou cerca de 450.000 toneladas da carne no ano passado, sendo que aproximadamente metade foi embarcada para esses destinos. O Brasil é “o fornecedor óbvio” para substituir a Ucrânia nesses mercados, disse Rua.

O aumento nos preços gerado pela demanda adicional ajudará os exportadores brasileiros de frango a compensar alguns, mas não todos, os custos extras da disparada dos preços das rações. Esses serão inevitavelmente repassados aos consumidores para que as empresas continuem produzindo, disse Rua.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também