Mercados

Petróleo fica perto de US$ 125 com fuga de compradores de barris russos

Estados Unidos avaliam uma proibição formal contra o petróleo produzido na Rússia, ameaçando abastecimento

O West Texas Intermediate para abril também subiu 6,2%, para US$ 122,83
Por Ben Sharples e Alex Longley
07 de Março, 2022 | 08:22 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — Os preços do petróleo dispararam nesta madrugada, chegando a encostar em US$ 140 o barril, com ondas de choque se espalhando pelo mercado depois que os EUA disseram estar considerando a proibição das importações de petróleo russo.

Depois, o Brent caiu para cerca de US$ 125, nível que aumenta os temores de um grande choque inflacionário na economia global. O governo Biden está ponderando se deve proibir as importações de petróleo russo sem a participação de aliados na Europa, pelo menos inicialmente, segundo pessoas familiarizadas com o assunto. Os contratos futuros de diesel na Europa e nos EUA subiram para o mais alto em décadas, enquanto os contratos de gasolina também saltaram.

O secretário de Estado Antony Blinken disse à NBC no fim de semana que a Casa Branca está em “discussões muito ativas” com a Europa sobre a proibição de apertar o aperto econômico do presidente russo, Vladimir Putin. Até agora, os EUA resistiram às restrições às importações de petróleo russo devido a preocupações com o impacto do aumento dos preços, mas a maioria dos compradores se recusa a aceitá-lo de qualquer maneira, resultando em um embargo extraoficial.

A certa altura na segunda-feira, o Brent subiu US$ 21, já que o mercado se ajustou à possibilidade de perder suprimentos de um dos três maiores produtores do mundo. O JPMorgan (JPM) disse que o Brent pode encerrar o ano a US$ 185 o barril se os embarques russos continuarem sendo interrompidos, enquanto um fundo de hedge disse que até US$ 200 é uma possibilidade.

PUBLICIDADE

O choque do aumento dos preços do petróleo e de outras commodities está soando alarmes em todos os lugares. O Fundo Monetário Internacional alertou no fim de semana sobre graves consequências para a economia global. Os principais importadores de petróleo estão começando a sentir o impacto, com a rupia entre os maiores perdedores da moeda na Ásia, em meio a temores de que o Reserve Bank of India terá que aumentar sua previsão de inflação, com pouco espaço para apertar a política monetária.

Veja mais: Netflix decide suspender todos os serviços na Rússia

“Temos muitas reviravoltas por vir”, disse Mike Muller, chefe da Ásia do Vitol Group, em um podcast produzido pela consultora e editora Gulf Intelligence, com sede em Dubai. “Embora eu ache que o mundo já está precificando o fato de que haverá uma incapacidade de absorver uma quantidade séria de petróleo russo no hemisfério ocidental, acho que ainda não precificamos tudo.”

Preços do petróleo

  • O Brent para liquidação de maio avançava 6,2% para US$ 125,40 o barril às 6h52, horário de Brasília, depois de subir para US$ 139,13 mais cedo
  • O contrato subiu 21% na semana passada
  • O West Texas Intermediate para abril também subiu 6,2%, para US$ 122,83

As oscilações do Brent eclipsaram as da crise financeira global de 2008 e a queda na demanda provocada pela pandemia de coronavírus. Comerciantes, transportadores, seguradoras e bancos estão cada vez mais cautelosos em assumir ou financiar compras de barris russos enquanto enfrentam sanções financeiras.

PUBLICIDADE

Há esforços em andamento para tentar aumentar a oferta. Dois altos funcionários dos EUA se reuniram com membros do governo do presidente venezuelano Nicolás Maduro em Caracas para discutir o fornecimento global de petróleo e os laços do país com a Rússia, segundo pessoas familiarizadas com o assunto. Enquanto isso, o Irã avançou em um acordo com as potências mundiais sobre seu programa nuclear, o que pode abrir caminho para que as sanções ao petróleo de Teerã sejam suspensas até o terceiro trimestre.

Mais imediatamente, porém, a oferta de alguns dos outros maiores produtores continua sendo uma preocupação. A Líbia, produtora da Opep, disse que sua produção caiu abaixo de 1 milhão de barris por dia por causa de uma crise política doméstica. A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados na semana passada também decidiram manter o curso com apenas aumentos graduais de produção.

As preocupações com a oferta estão aparecendo na estrutura de mercado do petróleo. O retrocesso do Brent, onde os barris de curto prazo são mais caros do que os de data posterior, subiu para US$ 4,92 por barril, de US$ 1,46 há um mês.

“Com o aumento das tensões geopolíticas, incerteza e ansiedade, seria muito difícil avaliar com precisão o topo desse rali”, disse John Driscoll, fundador da JTD Energy Services em Cingapura. “Durante a crise financeira de 2008-2009, a destruição da demanda atingiu cerca de US$ 150 o barril”, mas esse pico é impulsionado pela oferta e pode levar os preços além desse nível, disse ele.

--Com a colaboração de Elizabeth Low e Rob Verdonck

Leia também

PUBLICIDADE

Por que empresas estrangeiras estão contratando latino-americanos para tecnologia

Cade analisa recurso contra venda da Oi Móvel na próxima quarta