Mercados

Petróleo Brent sobe 18% e bate US$ 139 com temores sobre embargo russo

Traders, transportadores, seguradoras e bancos estão cada vez mais cautelosos em assumir ou financiar compras de barris russos

Commodity dispara com temor sobre embargo russo
Por Rob Verdonck e Jake Lloyd-Smith
06 de Março, 2022 | 08:28 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O petróleo ultrapassou US$ 135 o barril no início do que deve ser uma outra semana tempestuosa depois que a Casa Branca disse que estava discutindo um embargo aos suprimentos russos em uma medida que deve alimentar os temores de oferta em um país já nervoso mercado.

O Brent saltou até 18%, para US$ 139,13 no início dos negócios nesta segunda, somando a um aumento de 21% da semana passada, quando a invasão da Ucrânia pela Rússia provocou temores de uma brutal crise de oferta.

Mais tarde a cotação do Brent desacelerou, sendo negociado em US$ 129,05, com alta de 9,25%, às 9h50 em Tóquio (21h50 em Brasília). No mesmo horário, o petróleo WTI era negociado a US$ 124,72%, com alta de 7,8%.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse que o governo Biden e seus aliados estão discutindo um embargo ao petróleo russo, à medida que aumenta a pressão para revidar com mais força a invasão da Ucrânia, restringindo as exportações da principal indústria de energia da Rússia.

PUBLICIDADE

Enquanto traders, transportadores, seguradoras e bancos estão cada vez mais cautelosos em assumir ou financiar compras de barris russos, um embargo formal aumentaria a incerteza que levou à negociação do Brent em sua maior faixa desde o lançamento do contrato futuro em 1998.

O movimento se soma a notícias no fim de semana com a Arábia Saudita elevando os preços de suas principais misturas de petróleo e a Líbia dizendo que sua produção caiu por causa de uma crise política no país do norte da África, embora o progresso nas negociações nucleares com o Irã ofereça a perspectiva de algum alívio em um prazo mais longo.

“Temos muitas reviravoltas por vir”, disse Mike Muller, chefe da Vitol na Ásia, em um podcast produzido pela consultora e editora Gulf Intelligence, com sede em Dubai. “Embora eu ache que o mundo já está precificando o fato de que haverá uma incapacidade de absorver uma quantidade séria de petróleo russo no hemisfério ocidental, acho que ainda não precificamos tudo.”

(atualizado às 21h58 com cotações mais recentes)

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE