Negócios

Softbank põe fundos de AL sob cuidados do chefe do Vision Fund

Rajeev Misra, como presidente do SoftBank Investment Advisers, supervisiona o gigantesco Vision Fund

SoftBank Latin America Fund e o SoftBank Latin America Fund II estão agora sob os cuidados de Misra
Por Cristiane Lucchesi e Giles Turner e Gillian Tan
04 de Março, 2022 | 09:02 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O SoftBank transferiu a responsabilidade por seus fundos latino-americanos a Rajeev Misra, que, como presidente do SoftBank Investment Advisers, supervisiona seu gigantesco Vision Fund, segundo pessoas com conhecimento do assunto.

O SoftBank Latin America Fund e o SoftBank Latin America Fund II estão agora sob os cuidados de Misra, disseram as pessoas, pedindo para não serem identificadas ao discutir a reestruturação. O SoftBank tem cerca de US$ 8 bilhões sob gestão nesses veículos.

A mudança ocorre após a saída em janeiro do diretor de operações do grupo e presidente do SoftBank Group International, Marcelo Claure, antes responsável pelos fundos latino-americanos. Sua saída encerrou um mandato tumultuado que culminou em um confronto com o fundador Masayoshi Son sobre sua remuneração. O SoftBank disse na época que Michel Combes assumiria as responsabilidades de Claure.

A equipe que lidera os fundos da América Latina permanecerá a mesma, incluindo os sócios responsáveis pelos investimentos Paulo Passoni e Shu Nyatta, e o sócio operacional e chefe do Brasil, Alex Szapiro. Contratados por Claure, todos se reportam agora a Misra, de acordo com as pessoas.

PUBLICIDADE

Um representante do SoftBank não quis comentar.

Claure defendeu a segregação do fundo de América Latina que ele supervisionava para o SoftBank, informou a Bloomberg no ano passado. Ele argumentou que a cisão ajudaria a construir o negócio e criar valor, ao mesmo tempo em que aumentaria sua remuneração, disseram pessoas familiarizadas com o assunto na época.

Son avaliava que a cisão traria poucos benefícios para os acionistas e complicaria a gestão e a governança, disseram as pessoas. Os fundos para América Latina não são tão famosos quanto o gigantesco Vision Fund do SoftBank, mas têm cerca de 150 funcionários e investem em 80 empresas, com participação em cerca de 75% dos unicórnios da região. A meta é investir US$ 2 bilhões este ano.

Depois que Claure saiu, o SoftBank confirmou que o diretor de estratégia da Softbank Group International, Nicola Calicchio, também deixou a empresa para tocar projetos pessoais.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

TSE amplia número de urnas que serão fiscalizadas antes das eleições

Lucro da Petrobras precisa ser ‘rebaixado um pouquinho’, diz Bolsonaro

PUBLICIDADE