PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Presidente do Fed procura tranquilizar que vai controlar a inflação

Powell deve sinalizar que o Fed seguirá em frente com os planos de aumentar as taxas de juros em março

Jerome Powell
Por Steve Matthews
01 de Março, 2022 | 12:04 pm
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, vai tentar tranquilizar os legisladores nesta semana de que o banco central agirá para conter a inflação mais alta em quatro décadas, mantendo-se flexível diante da incerteza imposta pela invasão da Ucrânia pela Rússia.

PUBLICIDADE

Powell, em depoimento semestral sobre política monetária aos painéis da Câmara e do Senado a partir de quarta-feira, deve sinalizar que o banco central americano seguirá em frente com os planos de aumentar as taxas de juros em março, enquanto traders analisam os comentários em busca de sugestões de um potencial movimento de meio ponto percentual.

Ao mesmo tempo, ele pode reconhecer os riscos criados pelo conflito, que desencadeou uma das piores crises de segurança na Europa desde a Segunda Guerra Mundial e fez com que os preços do petróleo disparassem – o que está complicando o trabalho do Fed.

PUBLICIDADE

As autoridades têm que lidar com as consequências potencialmente estagflacionárias da invasão. Os preços mais altos do petróleo - que subiram desde o ataque - podem diminuir a demanda ao reduzir o poder de compra, se isso levar a preços mais altos na bomba de gasolina, mas isso também aumentará a inflação.

Aumentando a incerteza está a própria posição de Powell: ele está atualmente servindo como presidente “pro tempore” enquanto aguarda a confirmação do Senado para um segundo mandato. As indicações dele e outras indicações ao Fed permanecem paralisadas devido à oposição republicana à escolha do presidente Joe Biden de Sarah Bloom Raskin para vice-presidente de supervisão do Fed.

“Powell estará decolando, mas também transmitirá uma grande sensação de incerteza”, disse Ethan Harris, chefe de pesquisa de economia global do Bank of America, que prevê um movimento de 0,25 em março. “Ele precisa dar uma palestra equilibrada que expresse preocupação com a inflação e reconheça a força do crescimento econômico, mas diz que não precisamos nos apressar e que há incertezas por aí”.

Após a invasão russa, autoridades do Fed sinalizaram prontidão para aumentar as taxas de juros nas reuniões de 15 a 16 de março para enfrentar a inflação, mantendo suas opções em aberto sobre quão longe ou quão rápido eles se movem.

O que diz a Bloomberg Economics...

“A Bloomberg Economics espera que Powell pareça vigilante em relação à inflação, mas, em última análise, favoreça a abordagem gradualista para aumentos de juros devido à elevada incerteza do mercado com a crise Rússia-Ucrânia. Ele não fornecerá um endosso explícito de um aumento de 50 pontos-base para a reunião de março, em nossa opinião. A Bloomberg Economics espera que o Fed entregue um aumento de 25 pontos-base em março.”

PUBLICIDADE

--Anna Wong, Yelena Shulyatyeva, Andrew Husby e Eliza Winger (economistas da Bloomberg)

“Este é o cenário de pesadelo do Fed, pois estamos despejando combustível em um fogo já bem aceso da inflação”, disse Diane Swonk, economista-chefe da consultoria Grant Thornton. “A situação tem semelhanças assustadoras com a década de 1970, com o choque externo do petróleo ameaçando um ciclo de inflação mais arraigado e vicioso”.

Traders e economistas ainda veem o Fed iniciando aumentos de juros em março a um aumento de 0,25 ponto percentual. Mas as apostas de que um aumento maior do que 0,5 foram reduzidas drasticamente à medida que os investidores avaliam o provável impacto da agressão russa no crescimento e na política do Fed nos próximos meses.

O presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, disse na segunda-feira que ainda é a favor do aumento das taxas em 25 pontos-base em março e estava aberto a discutir um aumento de 50 pontos-base se os dados de inflação entre agora e a reunião forem muito quentes.

As autoridades deixaram as taxas perto de zero em janeiro, mas disseram que estavam prontas para aumentá-las “em breve”. A coletiva de imprensa pós-reunião de Powell foi vista como agressiva na época, levando alguns investidores a antecipar um movimento de meio ponto, mas esperava-se que ele adotasse um tom mais cuidadoso durante seu depoimento.

“Ele será mais cauteloso devido ao nervosismo do mercado financeiro criado pelo ataque militar russo e isso provavelmente consolidará as expectativas de um aumento de 25 pontos base”, disse James Knightley, economista-chefe internacional do ING.

PUBLICIDADE

Os dados de sexta-feira mostraram que o medidor de pressão de preços preferido do Fed subiu 6,1% nos 12 meses até janeiro - três vezes a meta de 2% e a maior desde 1982. Outra medida, o índice de preços ao consumidor, mostrou um ganho maior do que 7,5%, e o relatório do IPC de fevereiro será divulgado em 10 de março. As autoridades terão outro importante indicador na sexta-feira, com o relatório de emprego de fevereiro.

Embora a inflação seja o foco, os legisladores também podem perguntar a Powell sobre o papel do Fed na implementação de sanções aos russos por meio do sistema de pagamentos do banco central, disse John Silvia, fundador da Dynamic Economic Strategy e ex-economista-chefe do painel bancário do Senado.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também