PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Sanções à Rússia colocam foco no Banco Central da China

O banco central da China tem uma troca de moeda multibilionária com o banco central da Rússia

O Banco Popular da China tem uma troca de moeda multibilionária com o banco central da Rússia, permitindo que os dois países forneçam liquidez às empresas para que possam continuar negociando
Por Bloomberg News
28 de Fevereiro, 2022 | 09:05 am
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — O banco central da China pode ser uma tábua de salvação financeira para a Rússia se Pequim decidir contrariar os esforços ocidentais para eliminar seu parceiro estratégico do sistema financeiro global.

O Banco Popular da China tem uma troca de moeda multibilionária com o banco central da Rússia, permitindo que os dois países forneçam liquidez às empresas para que possam continuar negociando. A China também contratou bancos russos em seu sistema de liquidação de pagamentos, visto como uma alternativa ao sistema de mensagens SWIFT, que muitos credores russos serão proibidos de usar.

PUBLICIDADE

Não está claro se esse apoio será concedido, já que o PBOC ainda não divulgou como responderá às sanções da Rússia. O banco central não respondeu a perguntas da reportagem na segunda-feira para obter mais detalhes, inclusive sobre o status das reservas cambiais russas ou a linha de troca de moeda. A China está agindo com cautela por enquanto, com dois grandes bancos estatais restringindo o financiamento para a compra de commodities russas.

A Rússia reduziu suas participações em dólar, aumentou as reservas de euro e yuandfd

A maior ajuda para a Rússia pode vir dos ativos em yuan mantidos em reservas cambiais. Cerca de 13% das reservas da Rússia, ou cerca de US$ 77 bilhões, estavam em ativos chineses em junho de 2021, os números mais recentes do Banco da Rússia. A venda dessas participações daria à Rússia a liquidez necessária.

“Os ativos chineses e o yuan nas reservas estrangeiras russas podem ser uma ferramenta eficaz para a Rússia combater o impacto das sanções dos EUA e da Europa”, disse Yu Lingqu, vice-diretor do centro de estudos financeiros do Instituto de Desenvolvimento da China, instituto financiado pelo estado chinês.

PUBLICIDADE

As nações ocidentais anunciaram medidas restritivas que congelam cerca de metade das reservas da Rússia mantidas nas nações do Grupo dos Sete. No entanto, a China não assinou essas sanções e os EUA, a Europa e outros não podem impedir a Rússia de acessar suas reservas mantidas em ativos chineses, de acordo com o principal diplomata da União Europeia, Josep Borrell.

As nações ocidentais “não podem bloquear as reservas do banco central russo em Moscou ou na China”, disse Borrell no fim de semana, observando que a Rússia vem se preparando financeiramente para essa situação nos últimos anos, reduzindo ativos em dólar e colocando reservas em euros e o yuan.

É improvável que a China siga as nações ocidentais para congelar os ativos em yuan da Rússia, disse Yu, já que ambos os países “querem lutar contra a hegemonia dos EUA e do dólar no sistema financeiro global”.

O dilema de Pequim é como ajudar seu parceiro estratégico, a Rússia, sem quebrar as sanções ocidentais. O governo do presidente Xi Jinping terá que escolher se continua a dar à Rússia acesso a esses fundos e ao sistema financeiro da China, e se utiliza o acordo de troca de moeda entre as duas nações.

Com os bancos chineses começando a restringir o financiamento para importações de commodities russas, a linha de swap de 150 bilhões de yuans (US$ 24 bilhões) poderia ser usada para ajudar empresas chinesas a pagar importações de produtos de energia russos de outros bens.

O acordo de swap foi assinado em 2014 depois que a Rússia recebeu sanções por invadir a Crimeia e começou a tentar reduzir sua exposição ao dólar e ao sistema financeiro americano. Há poucos detalhes divulgados sobre o acordo ou explicação de como ele foi usado no passado. No entanto, a filial do PBOC em Qingdao disse em 2018 que havia facilitado um empréstimo em rublos usando o swap, com o Banco da China emprestando rublos a uma empresa local para que pudesse importar produtos russos.

PUBLICIDADE

Resta saber se esse acordo será suficiente para sustentar uma relação comercial que gerou US$ 150 bilhões no ano passado.

Alternativa Limitada

As sanções também podem impulsionar o sistema de pagamentos interno da China para transações internacionais de yuans.

Lançado pelo banco central chinês em 2015, o Cross-Border Interbank Payment System, ou CIPS, é visto como uma alternativa potencial ao sistema de liquidação global dominado pelos EUA, do qual o SWIFT faz parte. Muitos bancos russos foram cortados do SWIFT, o sistema de mensagens administrado pela Sociedade para Telecomunicações Financeiras Interbancárias Mundial, e usado para transações de trilhões de dólares.

PUBLICIDADE

O CIPS tem vários bancos participantes locais na Rússia. No entanto, seu alcance em comparação com o SWIFT é pequeno. O sistema incipiente tem apenas 75 bancos participantes diretos - principalmente credores chineses - e 1.205 bancos participantes indiretos. Em comparação, a SWIFT tem mais de 11.000 instituições membros, e o yuan representou apenas 3% dos pagamentos através do sistema em janeiro.

Embora o CIPS forneça serviços de mensagens, compensação e liquidação, as transações por meio do CIPS ainda podem depender de mensagens enviadas via SWIFT se envolverem bancos que não estejam diretamente conectados ao sistema CIPS, de acordo com Yu.

“Existem oportunidades para o uso internacional do yuan e do CIPS, mas não devemos ser cegamente otimistas”, disse Yu.

--Com a ajuda de Qizi Sun.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Airbnb fornecerá acomodação para 100 mil refugiados ucranianos

PUBLICIDADE