Internacional

Europa aumenta compra de gás após Rússia invadir Ucrânia

Pelo segundo dia, as concessionárias estão solicitando mais combustível sob contratos de longo prazo com a Gazprom

Primeira guerra da Europa no século 21 destacou sua dependência do fornecimento de energia russo
Por Elena Mazneva e Anna Shiryaevskaya
25 de Fevereiro, 2022 | 11:00 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Nas horas após a invasão da Ucrânia, houve pedidos para que a Europa punisse a Rússia com o fim das compras de energia. Mas a resposta imediata das empresas europeias de energia foi comprar mais gás natural, grande parte dele transportado pela rede de gasodutos da Ucrânia.

Pelo segundo dia, as concessionárias estão solicitando mais combustível sob contratos de longo prazo com a Gazprom porque os acordos são precificados de forma que as importações russas se tornaram mais baratas do que o gás à vista comercializado nos centros europeus.

Os preços atuais do gás estão “bem acima do preço provável de venda para muitos contratos de importação da Gazprom e, portanto, aumentam as compras”, diz Stefan Ulrich, analista de gás da BloombergNEF, após o rali recorde na quinta-feira. “Também pode haver um componente estratégico já que compradores procuram comprar agora, devido ao potencial de interrupção nos fluxos ou novos aumentos de preços”.

A primeira guerra da Europa no século 21 destacou sua dependência do fornecimento de energia russo. Um terço da demanda de gás é atendida através de gasodutos dos campos de gás da Sibéria, gerando bilhões de dólares em receita à estatal Gazprom todos os anos. Cortar esses suprimentos faria com que os preços do gás disparassem e ameaçassem cortes de energia, uma perspectiva desagradável para os governos que já estão lutando com a contribuição dos preços mais altos da energia para o aumento da inflação. Petróleo e gás foram isentos do pacote de sanções anunciado pelos EUA e União Europeia na quinta-feira.

PUBLICIDADE
A Ucrânia costuma ser um ponto essencial de passagem do gás russo, mas a expansão das construções de gasodutos reduziu essa importânciadfd

Enquanto isso, os operadores de gás responderam aos sinais do mercado.

O fornecimento de gás russo através da Ucrânia saltou quase 38% na quinta-feira e espera-se que aumente cerca de 24% na sexta-feira, de acordo com dados da operadora de rede da Ucrânia.

A Gazprom disse que seus suprimentos atendem aos pedidos de clientes europeus. Uniper, Eni e Engie se recusaram a comentar sobre pedidos de gás russos. A RWE disse que não especularia sobre desenvolvimentos futuros no mercado.

Antes da invasão, a Europa já enfrentava uma crise energética. A demanda se recuperou assim que a Gazprom reduziu a oferta, limitando as vendas no mercado à vista. A gigante russa de gás também não conseguiu abastecer seus locais de armazenamento na Europa antes do inverno.

PUBLICIDADE
Estoques europeus diminuíram muito mais rapidamente do que os da Rússia nesse invernodfd

“Acho que o gás continuará a fluir para a Europa através de todos os corredores de exportação, incluindo o ucraniano”, desde que nenhum gasoduto seja danificado, disse Katja Yafimava, pesquisadora sênior do Oxford Institute for Energy Studies.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE