Mercados

Nasdaq derrete 2,6% com ‘sell-off’ tech após novas sanções à Rússia

O índice de volatilidade CBOE subiu para o maior patamar desde o final de janeiro, antes de reduzir os avanços

stocks
Por Vildana Hajric e Elaine Chen
23 de Fevereiro, 2022 | 06:28 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os mercados de ações caíram nesta quarta-feira após o presidente dos EUA, Joe Biden, ampliar as sanções contra a Rússia, incluindo novas penalidades que atingem o oleoduto Nord Stream 2 e seus diretores corporativos.

O S&P 500 caiu 1,8%, avançando ainda mais no território de correção, conforme as ações de tecnologia tiveram um novo sell-off em meio às crescentes tensões e um ataque cibernético a vários sites do governo e bancos da Ucrânia. Os títulos do Tesouro aumentaram as perdas e o dólar pouco mudou.

Os investidores estão avaliando o impacto potencial de uma parcela inicial das sanções ocidentais depois que Biden disse na terça-feira que a Rússia começou a invadir a Ucrânia. As sanções não chegaram a incluir medidas abrangentes, embora autoridades tenham alertado que podem ser ampliadas.

“Houve algum otimismo entre os investidores com os quais conversamos, pois as sanções da Casa Branca à Rússia não foram tão abrangentes quanto originalmente esperado, mas nossa sensação é que esta saga está longe de terminar e a maioria de nossos contatos espera sanções adicionais nos próximos dias também”, escreveu Isaac Boltansky, do BTIG.

PUBLICIDADE

Os temores de que a tensão na Ucrânia possa prejudicar a oferta de commodities - pressionando ainda mais a inflação - elevou preços de energia, trigo e níquel. O ouro subiu e o petróleo flutuou após registrar ganhos recentes. Em outros mercados, o índice de volatilidade CBOE subiu para o maior patamar desde o final de janeiro, antes de reduzir os avanços.

Uma questão-chave é se o salto nos custos das matérias-primas estimulará ou não uma política mais agressiva do banco central. As apostas sobre o número de aumentos das taxas pelo Federal Reserve em 2022 se estabeleceram em cerca de seis aumentos de 25 pontos-base, abaixo dos sete de 11 de fevereiro.

“A questão número um realmente é a inflação e o Fed; é com isso que todos estão preocupados”, disse Matt Maley, estrategista-chefe de mercado da Miller Tabak + Co. “A situação na Ucrânia está piorando porque pressionou a inflação.”

O presidente Vladimir Putin negou que a Rússia pretenda invadir a Ucrânia, no entanto, os legisladores lhe deram luz verde para enviar tropas para regiões controladas pelos separatistas.

PUBLICIDADE

“Ainda há dúvidas sobre as intenções da Rússia e até onde eles planejam ir com esse processo”, escreveu Brad Bechtel, chefe global de FX da Jefferies LLC.

Ações

  • O S&P 500 (SPX) terminou com baixa de 1,8%;
  • O Nasdaq 100 (NDX) caiu 2,6%;
  • O índice Dow Jones Industrial (INDU) caiu 1,4%;
  • O índice MSCI World (MXWO) caiu 1,2%;

Moedas

  • O Bloomberg Dollar Spot Index (DXY) ficou estável;
  • O euro caiu 0,2% para US$ 1,1305;
  • A libra britânica (GBP) recuou 0,3% a US$ 1,3544;
  • O iene japonês (JPY) operou a 115,00 por dólar;

Renda fixa

  • O rendimento dos Treasuries de 10 anos subiu cinco pontos base para 1,99%;
  • O rendimento de 10 anos da Alemanha recuou dois postos base para 0,23%;

Commodities

  • O petróleo bruto West Texas Intermediate (WTI) subiu 0,3% para US$ 92,18 o barril;

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Cinco gráficos para entender impacto da crise da Ucrânia nos mercados