Mercados

Cinco gráficos para entender impacto da crise da Ucrânia nos mercados

Do mercado acionário ao ouro, confira os efeitos do conflito envolvendo Rússia, Ucrânia e Ocidente nos mercados globais

Após Putin ordenar envio de tropas para regiões separatistas na Ucrânia, clima esquenta e mercado sente
Por Thyagaraju Adinarayan e Nikos Chrysoloras
22 de Fevereiro, 2022 | 10:05 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Foi um começo de semana bastante difícil para as ações globais – mesmo enquanto os mercados dos Estados Unidos estando fechados por conta de um feriado na segunda-feira (21).

As ações já caíam na Europa e na Ásia após um aumento nas tensões na Ucrânia, e quando Wall Street entrar no sell-off, é provável que a perda de valor de mercado chegue a cerca de US$ 1 trilhão. Os futuros dos EUA sinalizam uma queda antecipada, à medida que os investidores cortam riscos e se concentram em ativos de refúgio, como ouro e títulos do Tesouro dos EUA.

O maior impacto foi sentido pelas ações russas em meio a crescentes preocupações de que os países ocidentais possam impor sanções depois que o presidente Vladimir Putin reconheceu duas autoproclamadas repúblicas separatistas no leste da Ucrânia e ordenou o envio de tropas à área. O principal índice de ações da Rússia chegou a cair até 19% na semana em certo ponto.

Confira os cinco gráficos que ilustram a situação antes da abertura dos mercados em Wall Street:

PUBLICIDADE

Em queda

As ações russas ampliaram suas quedas nesta terça-feira (22), depois que Putin ordenou o envio de tropas para as regiões separatistas. O índice de referência MOEX caiu mais de 30% em relação ao pico de outubro, e a maioria dessas perdas foram incorridas esta semana.

Nível próximo dos vistos em 2020dfd

Rublo com problemas

O rublo caiu para o nível mais baixo desde o final de 2020, antes de apagar as quedas e ser negociado 0,3% mais forte às 13h em Moscou (7h, no horário de Brasília). Essa ainda é uma das moedas com pior desempenho de 2022 em meio às crescentes tensões com a Ucrânia.

Moeda chega ao nível mais baixo desde 2020 ante o dólardfd

O bom começo de ano na Europa começa a cambalear

O impasse se soma a uma lista de preocupações para os mercados de ações globais, após uma derrota desencadeada por temores do aperto monetário agressivo por parte dos bancos centrais ansiosos para domar a inflação crescente. O cenário macroeconômico menos tolerante acabou com os recordes das principais referências – o índice Stoxx Europe 600 chegou a uma correção de 10%.

Temores de inflação e conflitos na Europa derrubam ações europeiasdfd

Correção do S&P 500

O índice S&P 500 (IVVB11) também está se aproximando do território de correção. Estrategistas do Goldman Sachs (GS) projetam que um conflito generalizado na Ucrânia implica uma queda de 6,2% para o índice e uma queda ainda mais acentuada de quase 10% para o Nasdaq 100 (NASD11). Tanto o Goldman quanto o Morgan Stanley (MS) consideram que uma possível desescalada levará a um alívio de cerca de 5% para as ações dos EUA.

PUBLICIDADE
Nível chega à baixa de julho de 2021dfd

Padrão-Ouro

Os preços do ouro à vista dispararam em fevereiro, já que que os investidores buscavam investimentos mais seguros. O lingote está perto de atingir o nível mais alto desde junho de 2021.

Preço do ouro dispara com busca por ativos de refúgiodfd

--Com a colaboração de Ksenia Galouchko.

--Este texto foi traduzido por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE