ESG

‘Regra ética’ na cadeia de suprimento pode trazer multas elevadas na UE

Vítimas poderão processar e exigir indenização se as empresas ou seus fornecedores não interromperem violações

'Regra ética’ na cadeia de suprimento pode trazer multas elevadas a empresas
Por Aoife White e Alberto Nardelli e Stephanie Bodoni
22 de Fevereiro, 2022 | 09:17 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Empresas globais, da mineração à moda, se arriscam a pagar altos valores a título de compensação por violações de direitos humanos e ambientais a partir de uma proposta da União Europeia que deve ser conhecida esta semana.

As regras éticas da cadeia de suprimentos, que miram cerca de 4.000 empresas internacionais e 13 mil dentro do bloco de 27 países, permitiriam que as vítimas processassem e exigissem indenização se as empresas ou seus fornecedores não interromperem as violações, de acordo com documentos preliminares da UE vistos pela Bloomberg. As propostas ainda podem ser alteradas antes de serem finalizadas.

“O fato de este projeto de lei permitir que vítimas de abuso corporativo em todo o mundo busquem justiça nos tribunais da UE torna este um momento decisivo para os direitos humanos e o meio ambiente”, disse Richard Gardiner, do grupo de defesa Global Witness. “A Comissão Europeia percebeu que uma lei forte para responsabilizar as empresas é popular entre os cidadãos de toda a Europa.”

O movimento para instigar uma legislação abrangente em toda a UE segue um esforço alemão semelhante acordado no ano passado pela então chanceler Angela Merkel para conter empresas e fornecedores em todo o mundo que violam os direitos humanos.

PUBLICIDADE

De acordo com as medidas da UE, que também miram indústrias como calçados, silvicultura e produtos químicos, as empresas precisariam mostrar que estão verificando violações trabalhistas, de saúde e de segurança, ambientais e a ocorrência de trabalho infantil em seus próprios processos de fabricação e com parceiros comerciais diretos. Elas correriam o risco de sanções de novos supervisores europeus e processos de compensação se não cumprissem seu dever.

As empresas “são responsáveis por danos se não cumprirem as obrigações” de prevenir, ou quando a prevenção não for possível ou não for imediatamente possível, minimizar com os fornecedores potenciais impactos adversos aos direitos humanos e ao ambiente, diz a proposta.

“Direitos humanos”

“A transformação para uma economia mais sustentável é uma prioridade política fundamental para esta comissão”, disse o porta-voz da UE, Christian Wiegand, por e-mail. A proposta trata de “promover modelos de negócios de longo prazo, viáveis e responsáveis, que incorporem considerações climáticas e ambientais e estejam alinhados com os direitos humanos”. Ele preferiu não comentar detalhes do projeto.

PUBLICIDADE

As regras miram empresas da UE com receita mundial superior a 150 milhões de euros (US$ 170 milhões) e pelo menos 500 funcionários, bem como empresas em setores de “alto impacto”, incluindo vestuário e mineração, se faturarem mais de 40 milhões de euros por ano e tiverem 250 funcionários, diz o projeto. Para empresas sediadas em outros lugares, as regras podem ser direcionadas com base nas receitas geradas na UE. O setor financeiro está excluído.

Ao criar um padrão mais alto, as regras podem ajudar as empresas que desejam pressionar os fornecedores a melhorar as condições, mas que não têm influência para fazê-lo, diz o documento da UE.

O documento da UE reconhece que “na prática será difícil prevenir todos os riscos através das cadeias de valor globais” e exime as empresas de serem responsáveis “além dos fornecedores diretos estabelecidos”.

As regras preliminares também incluem uma disposição que potencialmente vincula o pagamento dos executivos a um plano da empresa para garantir que ela esteja fazendo esforços para limitar o aquecimento global.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE