Saúde

Covid: app de monitoramento de Hong Kong alerta sobre não vacinados

Informações armazenadas no aplicativo são criptografadas e estarão disponíveis apenas a autoridades de saúde da cidade

Aplicativo LeaveHomeSafe foi atualizado e incluiu um check-in especial para usuários que não registraram dados vacinais
Por Sarah Zheng e Linda Lew
21 de Fevereiro, 2022 | 09:06 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O aplicativo de rastreamento de contatos com covid de Hong Kong começou a alertar sobre usuários que não atualizaram seus registros de vacinação, enquanto a cidade tenta conter um surto que está sobrecarregando seu sistema de saúde.

O aplicativo LeaveHomeSafe – obrigatório para entrada em muitos restaurantes e outros locais públicos – foi atualizado no fim de semana e agora exibe um código QR em sua página de check-in para usuários que não vincularam um registro oficial de vacinação.

Hong Kong está enfrentando seu surto mais grave de covid desde o início da pandemia, colocando em xeque a abordagem de tolerância zero da cidade ao vírus. O aplicativo, que gerou controvérsia desde sua introdução, foi atualizado no momento em que Hong Kong se prepara para iniciar um “passaporte da vacina” em 24 de fevereiro – data em que a maioria dos locais públicos, de shoppings a escolas e restaurantes, começará a barrar clientes que não receberam no mínimo uma dose do imunizante.

Alguns moradores da cidade resistiram para enviar seu status de vacinação por questões de privacidade, mesmo com a pressão crescente de Pequim por medidas mais rígidas em Hong Kong para controlar uma quinta onda recorde de covid-19.

PUBLICIDADE

O aplicativo LeaveHomeSafe não visa ser um dispositivo de rastreamento, disse Tony Wong, vice-diretor de informações do governo da cidade, a repórteres na segunda-feira (21). As informações sobre vacinas armazenadas no aplicativo são criptografadas e só poderão ser acessadas pelas autoridades de saúde se surgir um caso confirmado em um local visitado pelo usuário, acrescentou.

Atualmente, não há planos para exigir o registro de dados reais ou rastreamento de localização no software, pois isso exigiria que toda a arquitetura do aplicativo fosse reconstruída, disse Francis Fong, membro de um comitê consultivo sobre desenvolvimentos tecnológicos do Comissário de Privacidade de Hong Kong.

“Levará meses para desenvolver e revisar toda a arquitetura, todo o sistema, e não acredito que possamos esperar meses no momento”, disse Fong, que também é presidente honorário da Federação de Tecnologia da Informação de Hong Kong. “Além disso, há as preocupações com questões de privacidade dos cidadãos de Hong Kong”.

Hong Kong registrou mais de 7,5 mil casos nesta segunda-feira, sobrecarregando os sistemas de saúde e de testes de covid-19 da cidade. As autoridades já pediram a adição de uma função de rastreamento ao aplicativo LeaveHomeSafe, aproximando-se dos processos de rastreamento de contatos usados na China continental, baseado em localização e que depende do registro de dados reais.

PUBLICIDADE

--Este texto foi traduzido por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também