PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

Credit Suisse tinha clientes ligados à corrupção, dizem jornais

Agências de notícias se basearam em dados vazados de mais de 18 mil contas que, juntas, detinham mais de US$ 100 bilhões

O Credit Suisse emitiu um comunicado logo após a publicação das histórias, dizendo que “rejeita veementemente as alegações e insinuações sobre as práticas comerciais propostas pelo banco”
Por Jim Silver
20 de Fevereiro, 2022 | 04:54 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O Credit Suisse Group gerenciava contas de clientes envolvidos em abusos de direitos humanos, corrupção e tráfico de drogas, de acordo com reportagens de jornais com base em dados vazados de mais de 18.000 contas que, juntas, detinham mais de US$ 100 bilhões.

Um denunciante anônimo deu a informação ao jornal alemão Sueddeutsche Zeitung, que compartilhou os dados com um grupo de jornalismo sem fins lucrativos e dezenas de outras organizações de notícias em todo o mundo. Os dados cobrem contas abertas desde a década de 1940 até a década passada, disse o New York Times no domingo. O Guardian disse que algumas das contas permanecem abertas.

O Credit Suisse emitiu um comunicado logo após a publicação das histórias, dizendo que “rejeita veementemente as alegações e insinuações sobre as práticas comerciais propostas pelo banco”. EA companhia disse que as informações são “baseadas em informações parciais, imprecisas ou seletivas tiradas de contexto, resultando em interpretações tendenciosas da conduta comercial do banco”.

O banco disse que revisou as contas envolvidas depois de receber perguntas do consórcio que trabalha nas histórias. Cerca de 90% estão fechadas ou já estavam em processo de fechamento, dos quais mais de 60% foram fechados antes de 2015, informou o banco.

PUBLICIDADE

“Das contas ativas restantes, estamos confiantes de que a devida diligência apropriada, revisões e outras etapas relacionadas ao controle”, disse o credor com sede em Zurique.

Entre os assuntos destacados no Times:

  • Havia 25 contas com cerca de US$ 270 milhões que pertenciam a pessoas acusadas de envolvimento em uma conspiração em torno da petrolífera estatal da Venezuela, Petroleos de Venezuela SA.
  • Outra conta pertencia a um empresário do Zimbábue sob sanção das autoridades americanas e europeias por suas conexões com o governo do ex-presidente Robert Mugabe.

De acordo com o Guardian, os titulares de contas incluíam:

  • Um traficante de pessoas nas Filipinas
  • Um funcionário da bolsa de Hong Kong preso por suborno
  • Funcionários corruptos em países como Egito e Ucrânia

“Essas alegações da mídia parecem ser um esforço conjunto para desacreditar não apenas o banco, mas o mercado financeiro suíço como um todo, que passou por mudanças significativas nos últimos anos”, disse o Credit Suisse em comunicado neste domingo.

PUBLICIDADE

“Em linha com as reformas do mercado financeiro em todo o setor e na Suíça, o Credit Suisse tomou uma série de medidas adicionais significativas na última década, incluindo investimentos adicionais consideráveis no combate ao crime financeiro.”

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

EUA alertam que Rússia pode atacar várias cidades na Ucrânia

Rainha Elizabeth II testa positivo para Covid