PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cripto

Empresas de cripto e fintechs combatem a lavagem de dinheiro

As empresas disseram que as regulamentações estão desatualizadas e as agências existentes não têm experiência para supervisionar o setor

Em 2020, a Rede de Repressão a Crimes Financeiros do departamento propôs uma emenda estendendo o alcance da regra para transações cripto
Por Yueqi Yang e Olga Kharif
16 de Fevereiro, 2022 | 06:01 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Coinbase, Gemini e Robinhood estão entre as empresas que ajudam a construir uma plataforma para cumprir à regra de lavagem de dinheiro dos Estados Unidos, à medida que as empresas de cripto e tecnologia financeira procuram cumprir regras e evitar uma supervisão mais rigorosa.

PUBLICIDADE

Um grupo de 18 empresas está montando a plataforma para ajudar a cumprir as condições da “regra de viagem” do Departamento do Tesouro dos EUA, que exige que as empresas financeiras passem informações como nomes de clientes, números de contas e datas de transações de transferências de fundos. O grupo conversou com reguladores dos EUA e globais sobre seu plano, disse Elena Hughes, diretora de compliance da plataforma de criptomoedas Gemini.

“Acreditamos que a solução permitirá compliance de alto nível para a regra de viagem e estamos procurando obter a adesão de nossas autoridades reguladoras”, disse Hughes em entrevista.

PUBLICIDADE

Veja mais: Justiça dos EUA apreende US$ 3,6 bi em Bitcoin roubados em 2016

As empresas relacionadas a criptomoedas disseram que as regulamentações estão desatualizadas e as agências existentes não têm experiência para supervisionar o setor. Enquanto isso, parlamentares querem controles mais rígidos. O presidente da Comissão de Negociação de Futuros de Commodities (CFTC), Rostin Behnam, e o presidente da Comissão de Valores Mobiliários (SEC) dos Estados Unidos, Gary Gensler, pediram uma supervisão mais agressiva.

A iniciativa do grupo, conhecida como Travel Rule Universal Solution Technology, é uma plataforma separada das blockchains através das quais as criptomoedas são transferidas. Não haverá armazenamento central de dados pessoais, e as informações do cliente são enviadas diretamente de um membro para outro, disse o grupo em comunicado.

Enquanto fabricantes privados de software oferecem algumas soluções de compliance, o grupo acha melhor sua proposta, Paul Grewal, diretor jurídico da Coinbase, em entrevista.

Veja mais: Binance restringe contas nigerianas por questões de segurança

PUBLICIDADE

“O que torna o TRUST único é que ele é a solução mais ampla do setor para o problema”, disse ele. “É um excelente exemplo da indústria realmente se unindo para resolver esses problemas por conta própria.”

A regra de viagem do Tesouro está em vigor desde 1996. Em 2020, a Rede de Repressão a Crimes Financeiros do departamento propôs uma emenda estendendo o alcance da regra para transações cripto.

Entre outras empresas da rede TRUST estão Fidelity Digital Assets, Kraken e Paxos.

Veja mais em bloomberg.com