PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Peru eleva taxa de juros para 3,5% para conter o aumento da inflação

Todos os principais bancos centrais da América Latina estão enfrentando inflação acima da meta

Alimentos em alta pressionam inflação no Peru
Por María Cervantes
10 de Fevereiro, 2022 | 09:07 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O Peru elevou as taxas de juros pelo sétimo mês consecutivo para tentar amortecer o impacto do choque inflacionário global sobre a economia local.

PUBLICIDADE

O banco central aumentou sua taxa básica de juros em meio ponto percentual para 3,5% nesta quinta-feira, em linha com as previsões de todos os 10 analistas consultados pela Bloomberg.

“O conselho está especialmente atento a novas informações sobre inflação e expectativas de inflação e ao comportamento da atividade econômica para considerar, se necessário, mudanças na postura da política monetária”, disse o banco em comunicado.

PUBLICIDADE

Dois anos após a covid-19 ter desencadeado uma recessão global, os bancos centrais de mercados emergentes, do Brasil à Rússia e à África do Sul, estão retirando o apoio de emergência conforme suas economias se recuperam. Poucas horas antes da decisão do Peru, o México também elevou sua taxa básica de juros em meio ponto percentual, para 6%.

Todos os principais bancos centrais da América Latina estão enfrentando inflação acima da meta, já que a demanda reprimida da pandemia elevou os preços, agravado pelo aumento dos custos globais de alimentos e energia.

No Peru, a inflação anual atingiu o maior patamar em 13 anos em dezembro, depois desacelerou para 5,7% no mês passado, o que ainda é mais que o dobro do ponto médio de 2% da meta do banco.

O país andino foi atingido por um alto nível de agitação política nas últimas semanas. O presidente Pedro Castillo empossou nesta semana seu quarto primeiro-ministro desde o início de seu governo em julho, depois que seu antecessor deixou o cargo após apenas quatro dias no cargo. Em dezembro, Castillo sobreviveu a uma tentativa de impeachment.

O banco central não se referiu à situação política, mas disse que está agindo para conter a volatilidade nos mercados financeiros em meio à incerteza.

PUBLICIDADE

Em meio ao caos, os investidores ficaram animados com a nomeação de um ex-economista do banco central, Oscar Graham, como ministro das Finanças.

A economia ignorou a volatilidade e cresceu fortemente. O PIB (Produto Interno Bruto) cresceu quase 13% no ano passado, o ritmo mais rápido entre as principais economias da América Latina, segundo estimativas de economistas consultados pela Bloomberg.

Veja mais em Bloomberg.com