Internacional

México: Nova presidente do Banxico segue script e sobe juro para 6%

Dirigente afastou preocupações dos investidores de que mudaria o equilíbrio do conselho para uma abordagem mais dovish

Banco do México leva juros para 6%
Por Maya Averbuch e Max de Haldevang
10 de Fevereiro, 2022 | 07:05 pm
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — Em sua primeira decisão como presidente do banco central do México, Victoria Rodriguez Ceja votou com a maioria dos membros do conselho para aumentar a taxa básica de juros em meio ponto percentual, sinalizando que o ciclo de aperto da política monetária iniciado em junho pode continuar sob sua vigilância.

A ex-funcionária do orçamento foi retirada do anonimato pelo presidente Andrés Manuel López Obrador em novembro para comandar um dos bancos centrais mais prestigiados da América Latina a partir deste ano. Ao apoiar o aumento da taxa básica de juros para 6% na quinta-feira em uma votação de 4 a 1, ela afastou algumas preocupações dos investidores de que mudaria o equilíbrio do conselho para uma abordagem mais dovish.

O aumento da taxa correspondeu às previsões de 19 dos 22 economistas consultados pela Bloomberg, com três analistas prevendo um aumento de um quarto de ponto. Junto com Rodriguez Ceja - a primeira mulher governadora do banco central conhecido como Banxico - três outros membros do conselho de cinco pessoas apoiaram a decisão, com o vice-governador Gerardo Esquivel votando novamente por um aumento menor.

“A nova governadora Victoria Rodriguez não queria agitar o barco”, disse Nikhil Sanghani, economista para a América Latina da Capital Economics, em nota após a decisão de quinta-feira. “Ela ficou do lado do campo mais agressivo do conselho.”

PUBLICIDADE

O Banxico está avançando com seu segundo ciclo de aperto na última década, elevando a taxa básica de juros em 200 pontos base desde junho, com aumentos em cada uma de suas últimas seis reuniões. Economistas agora dizem que a taxa de juros do México pode atingir entre 7% e 8% até o final do ano, dependendo da rapidez com que o conselho de Rodriguez Ceja retirar o estímulo monetário.

“Com a entrada da nova governadora, o que esta decisão nos mostra é que há um claro compromisso de atacar a inflação”, disse Rodolfo Navarrete, chefe de análise da Vector Casa de Bolsa na Cidade do México.

Embora a inflação tenha desacelerado ligeiramente em relação ao maior patamar de duas décadas em novembro e a economia tenha caído em recessão em meio a problemas na cadeia de suprimentos global, o ritmo anual de aumentos de preços ao consumidor ainda é mais que o dobro da meta de 3% dos formuladores de políticas.

“O balanço de riscos para a trajetória da inflação dentro do horizonte de previsão continua com viés de alta”, disse o conselho em comunicado que acompanha a decisão. O banco também revisou para cima suas estimativas de inflação para o ano.

PUBLICIDADE

Fechando a lacuna

O Banxico vem aumentando constantemente os custos de empréstimos, o primeiro ciclo de aperto desde o final de 2015 a 2018, em um esforço para desacelerar a inflação que está acima de 7%. Os bancos centrais do Brasil, Chile, Peru e Colômbia, que enfrentam aumentos semelhantes nos preços ao consumidor, também aceleraram seu ritmo de aperto desde a segunda metade de 2021, mostrando menos tolerância ao pico inflacionário do que seus pares nos países ricos.

Mais preocupante ainda para o Banxico, os dados de núcleo de inflação, observados de perto, que se destinam a acompanhar as tendências subjacentes excluindo os preços mais voláteis, aceleraram para 6,21% em janeiro, o maior desde setembro de 2001.

O que dizem os economistas da Bloomberg

“Sem alívio nos preços ou nas condições monetárias globais à vista, esperamos que o banco central continue elevando as taxas, com aumentos maiores possíveis. As restrições políticas são semelhantes no resto da região e provavelmente se tornarão cada vez mais evidentes à medida que a atividade desacelera após um forte crescimento em 2021.” -- Felipe Hernandez, economista da América Latina

Economistas consultados pelo banco central no final do mês passado preveem uma taxa de inflação no final do ano de 4,42%, um aumento de 20 pontos base em sua previsão um mês antes, e uma leitura do núcleo de 4,31%, um salto de 32 pontos base em relação à pesquisa anterior.

Nova dirigente

PUBLICIDADE

Rodriguez Ceja, que assumiu seu cargo no mês passado para um mandato de seis anos, terá que liderar o banco central neste momento crítico. Seu voto na reunião do conselho de quinta-feira é uma das primeiras indicações de suas opiniões políticas, que permanecem amplamente desconhecidas além de uma sessão de confirmação pública com senadores mexicanos no ano passado.

O Chile também nomeou a primeira mulher chefe do banco central, com o presidente Sebastian Piñera nomeando Rosanna Costa no início deste mês.

Olhando para o futuro, o vice-governador Jonathan Heath disse na semana passada que, a partir de março, será difícil continuar com aumentos de meio ponto em cada reunião. A segunda maior economia da América Latina encolheu no terceiro e quarto trimestres de 2021 – entrando em recessão – depois de se recuperar de uma queda de 8,2% em 2020.

Outro desafio para o Banxico envolve avaliar as medidas de política do Federal Reserve dos EUA, que sinalizou que começará a subir em março pela primeira vez em mais de três anos e começará a encolher seu balanço logo depois.

PUBLICIDADE

Talvez mais do que em qualquer outro mercado emergente, o Banxico historicamente tende a vincular sua política monetária à do Fed, dada a proximidade geográfica do México com os EUA e a integração econômica dos países.

“No futuro, esperamos, em princípio, que o banco central imite os aumentos das taxas de juros do Federal Reserve”, disse Jessica Roldan, economista-chefe da Casa de Bolsa Finamex. “No entanto, a incerteza em muitas dimensões é alta e as decisões de política monetária continuarão sendo orientadas por dados.”

--Com assistência de Rafael Gayol e Carolina Gonzalez.

Veja mais em Bloomberg. com

PUBLICIDADE