PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Gigantes do petróleo geram caixa como se barril estivesse US$100

BP, Shell, TotalEnergies, ExxonMobil e Chevron geraram fluxo de caixa livre mais alto desde o início de 2008

Empresas mais enxutas estão se beneficiando mais do rali atual
Por Laura Hurst
11 de Fevereiro, 2022 | 03:06 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — As grandes empresas de petróleo do mundo estão ganhando dinheiro como se o petróleo já estivesse sendo negociado a US$ 100 o barril.

PUBLICIDADE

BP, Shell, TotalEnergies, ExxonMobil e Chevron geraram fluxo de caixa livre mais alto desde o início de 2008 - quando o petróleo subiu acima de US$ 100 o barril. O petróleo ainda não está a níveis tão altos, mas os gastos são muito menores, o que significa que há mais dinheiro para devolver aos investidores.

“Na última década, as empresas de petróleo e gás tiveram que cortar a gordura”, disse Laura Hoy, analista de ações da Hargreaves Lansdown. Essas empresas mais enxutas estão se beneficiando mais do rali atual, especialmente porque “os preços elevados do petróleo parecem estar aqui para ficar”.

PUBLICIDADE
Gigantes do petróleo tiveram maior fluxo de caixa livre desde 2008dfd

As cinco maiores empresas superaram as expectativas dos analistas para os lucros do quarto trimestre, relatando fluxo de caixa livre combinado de US$ 37 bilhões, quando o petróleo Brent atingiu uma média de quase US$ 80 por barril. Isso se compara aos US$ 40 bilhões no primeiro trimestre de 2008, quando a média foi de US$ 96.

O lucro líquido ajustado dessas empresas também subiu para US$ 31 bilhões, trimestre mais alto em mais de nove anos.

PUBLICIDADE

Veja mais: Petróleo deve ter primeira queda semanal desde dezembro com conversas no Irã

É uma reviravolta para um setor que estava enfrentando dívidas crescentes e preços de commodities em queda à medida que a pandemia de coronavírus se desenrolava em 2020. No final daquele ano, as cinco grandes empresas juntas perderam quase US$ 19 bilhões.

PUBLICIDADE

No entanto, as empresas passaram grande parte de 2020 cortando custos agressivamente, anunciando dezenas de milhares de demissões e, em alguns casos, cortando dividendos. Isso as posicionou bem para 2021, quando a queda se transformou em um notável rali.

PUBLICIDADE

As perspectivas para este ano também parecem otimistas. A demanda está aumentando, mas a oferta permanece “bastante restrita” após anos de subinvestimento, segundo o CEO da TotalEnergies Patrick Pouyanne.

PUBLICIDADE

“Você pode ver um mundo onde, devido à falta de investimento, mesmo que a transição energética esteja acelerando, os preços do petróleo estão muito, muito mais altos”, disse o CEO da BP, Bernard Looney.

PUBLICIDADE

Embora os lucros possam ser sustentados ou mesmo superados este ano caso os preços se mantenham fortes, os mercados de petróleo e gás podem suavizar quando o inverno americano terminar e se as tensões entre a Rússia e a Ucrânia diminuírem, disse o analista da Bernstein Oswald Clint.

PUBLICIDADE

Veja mais: O que a guerra na Ucrânia significa para a crise de energia da Europa?

PUBLICIDADE

Todas as cinco empresas estão mantendo a linha de gastos, com apenas pequenos aumentos nos orçamentos para o ano. Exxon e Chevron vão aumentar o investimento em produção de xisto na Bacia do Permiano, mas isso compensará amplamente os declínios de produção em outras partes de seus portfólios. Para a BP, os gastos incrementais serão direcionados principalmente para negócios de baixo carbono.

Isso significa mais dinheiro excedente para os investidores.

Vemos muito espaço para aumentar as distribuições para acionistas em relação aos níveis atuais se a força das commodities persistir”, disse Biraj Borkhataria, co-chefe de pesquisa de energia europeia do RBC.

Veja mais em bloomberg.com