PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

EUA alertam risco da Rússia se mover contra a Ucrânia na próxima semana

A Casa Branca não sabe se Putin decidiu implementar seus planos, disseram pessoas familiarizadas com o assunto

Um ataque russo provavelmente começaria com bombardeios aéreos e ataques com mísseis que causariam baixas civis generalizadas
Por Alberto Nardelli e Jennifer Jacobs
11 de Fevereiro, 2022 | 04:27 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os Estados Unidos acreditam que a Rússia poderia tomar uma ação militar ofensiva ou tentar desencadear um conflito dentro da Ucrânia já na próxima semana, disse o conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan.

PUBLICIDADE

O conflito “poderia começar durante as Olimpíadas, apesar de muita especulação de que só poderia acontecer após” o fim dos Jogos de Inverno, disse Sullivan a repórteres na Casa Branca nesta sexta-feira (11). “O que podemos dizer é que há uma perspectiva crível de que uma ação militar russa ocorra mesmo antes do final das Olimpíadas.”

Um ataque russo provavelmente começaria com bombardeios aéreos e ataques com mísseis que causariam baixas civis generalizadas, disse Sullivan, incentivando os americanos na Ucrânia a sair o mais rápido possível.

PUBLICIDADE

As ações da Rússia podem incluir gerar uma provocação na região de Donbas, onde militares da Ucrânia lutam há anos contra separatistas apoiados por Moscou, ou atacar a capital do país, Kiev, disseram autoridades familiarizadas com o assunto, pedindo para não serem identificadas falando sobre um tema tão delicado. Eles disseram que qualquer ação pode começar já na terça-feira (15).

Veja mais: Europa busca alternativa para gás com temor de conflito na Ucrânia

Qualquer um dos movimentos representaria uma escalada dramática após meses de tensões sobre o acúmulo militar da Rússia perto da fronteira com a Ucrânia. Os EUA e outras nações estimam que a Rússia agora tem 130.000 soldados na área. Qualquer ação dentro da Ucrânia corre o risco de desencadear o maior conflito em território europeu desde a Segunda Guerra Mundial.

A maior incógnita continua sendo as intenções do presidente russo Vladimir Putin. Os EUA não sabem se Putin decidiu implementar esses planos, disseram pessoas familiarizadas com o assunto. Além disso, os EUA não compartilharam evidências que sublinhem as avaliações, disseram eles.

Os EUA compartilharam sua avaliação com os principais aliados na sexta-feira, de acordo com várias pessoas familiarizadas com o assunto. Nesta sexta-feira, vários países se mobilizaram para retirar funcionários da embaixada de Kiev, além de aconselhar os cidadãos a evitar a Ucrânia e, se houver, a deixar o país.

PUBLICIDADE

Veja mais: BCE pede preparo de bancos a consequências de tensão com Rússia

Os EUA disseram a aliados no outono passado que a Rússia tinha planos de aumentar o número de tropas e capacidades militares perto das fronteiras da Ucrânia. Grande parte dessa avaliação aconteceu.

A Rússia rejeitou repetidamente as acusações de que planeja invadir a Ucrânia, acusando a Otan de ameaçar sua segurança ao considerar a participação da Ucrânia na aliança militar. Na quinta-feira, dezenas de milhares de soldados russos iniciaram exercícios com os militares da Bielorrússia a poucos quilômetros da fronteira com a Ucrânia.

Os EUA alertaram anteriormente que um ataque russo à Ucrânia poderia ocorrer no final de fevereiro, mas as últimas declarações de Sullivan sugerem uma visão inconstante de que, se Moscou planeja agir, pode não esperar tanto.

Autoridades dos EUA também reiteraram que não acreditam que Putin tenha tomado uma decisão final sobre a Ucrânia. Alertas recentes dos EUA – incluindo que a Rússia planejava fabricar um ataque contra separatistas pró-Rússia para justificar um ataque – também não foram acompanhados de detalhes públicos da inteligência por trás deles.

Veja mais em Bloomberg.com