Mercados

Itaú tem lucro acima das expectativas com crescimento no crédito

Desempenho reflete um volume maior de crédito aos clientes no último trimestre do ano, aliado a um mix de produtos com margens maiores

Itaú tem lucro recorrente acima das expectativas com forte alta no crédito
10 de Fevereiro, 2022 | 08:27 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — O Itaú Unibanco (ITUB4) reportou lucro líquido recorrente de R$ 7,159 bilhões no quarto trimestre do ano passado, resultado 32,9% superior ao obtido no mesmo período do ano anterior e também acima das estimativas dos analistas do consenso Bloomberg de R$ 6,77 bilhões.

Segundo o banco, o desempenho reflete um volume maior de crédito aos clientes no último trimestre do ano, aliado a um mix de produtos com margens maiores. O banco afirma que também contribuiu um crescimento das receitas com serviços e tarifas, particularmente no segmento de cartões, decorrente da melhora na atividade econômica.

Os ADRs do Itaú (ITUB) negociados nos EUA tinham alta de 3,19% no aftermarket de Nova York. Na sessão regular, já tinham subido 1,51%.

O Itaú teve uma margem financeira gerencial total de R$ 21,2 bilhões no período, 20,5% maior do que reportado no quarto trimestre de 2020. Com os clientes do banco, essa margem somou R$ 19,9 bilhões - crescimento de 24,3% na comparação anual. Por outro lado a margem nas transações com o mercado totalizou R$ 1,3 bilhão, mostrando uma retração de 17,1% nessa comparação.

PUBLICIDADE

O banco afirma que essa redução na margem financeira com o mercado ocorreu em função de menores ganhos na administração de ativos e passivos do balanço no Brasil, além da estratégia de hedge dos investimentos no exterior, que foram parcialmente compensados pelos ganhos de tesouraria das unidades da América Latina.

Custo de crédito

As despesas com provisão de crédito totalizaram R$ 6,8 bilhões no último trimestre do ano passado, volume 21% maior do que no mesmo período do ano anterior. Isso decorre, segundo o banco, também devido ao crescimento da carteira de crédito ao longo do período.

A inadimplência acima de 90 dias ficou em 2,5% da carteira - acima dos 2,2% do mesmo trimestre do ano anterior.

PUBLICIDADE

A carteira de crédito total, que inclui avais e fianças, atingiu R$ 1,027 trilhão em dezembro, montante 18,1% superior ao do final de 2020. O maior desempenho foi do crédito para pessoa física, com expansão anual de 30,2%, com destaque para crédito imobiliário (crescimento de 53,7%), cartão (30%) e veículos (27,7%).

Já o crédito para empresas cresceu 11,3% na comparação anual, sendo que a linha de capital de giro teve expansão de 4,9%.

Banco digital e serviços

As receitas de serviços e seguros cresceram 5,8% no quarto trimestre de 2021 na comparação com o mesmo período de 2020, impulsionadas pela expansão dos ganhos com cartão de crédito e débito, tanto nos negócios de emissão quanto adquirência.

Na divulgação de resultados, o Itaú destacou que 63% das contratações de produtos de pessoas físicas foram realizados digitalmente no quarto trimestre, sendo que o NPS do canal mobile para esse cliente atingiu 71 pontos em dezembro de 2021.

Para 2022, o banco prevê uma expansão da carteira de crédito entre 9% e 12%. Já para a margem financeira com clientes, a expectativa é que cresça de 20,5% a 23,5%. Para as receitas de serviços e seguros, o Itaú estima um crescimento de 3,5% a 6,5%.

PUBLICIDADE

“Iniciamos 2022 com avanços importantes na transformação cultural e digital do banco, que se refletiram nos resultados divulgados hoje e certamente contribuirão para a nossa performance neste ano. Esperamos expandir nossa carteira de crédito de forma sustentável e retomar os resultados recorrentes em níveis superiores aos de antes da pandemia”, disse por nota Milton Maluhy Filho, presidente do Itaú Unibanco.

Leia também

Toni Sciarretta

Toni Sciarretta

News director da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista com mais de 20 anos de experiência na cobertura diária de finanças, mercados e empresas abertas. Trabalhou no Valor Econômico e na Folha de S.Paulo. Foi bolsista do programa de jornalismo da Universidade de Michigan.

PUBLICIDADE