PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde

Pico precoce de gripe nos EUA intriga cientistas

No geral, os casos de gripe para a temporada 2021-2022 parecem estar voltando aos níveis pré-pandemia

Embora as vacinas contra a gripe possam reduzir bastante o risco de hospitalizações ou mortes, as taxas de imunização diminuíram em comparação com as temporadas anteriores
Por Angel Adegbesan
07 de Fevereiro, 2022 | 12:26 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A gripe está de volta nos Estados Unidos com um número de casos comparável àqueles anteriores à pandemia, com uma distinção importante.

Os níveis da doença semelhante à gripe, usados para medir a propagação da doença respiratória, estão em declínio há três semanas desde o início de janeiro, segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA. Isso é muito mais cedo do que o pico típico entre fevereiro e março.

PUBLICIDADE

“Se você já viu uma temporada de gripe e outra, cada uma é distinta”, disse William Schaffner, especialista em doenças infecciosas da Universidade Vanderbilt. “E esta pegou de surpresa aqueles de nós que observam a gripe com muito cuidado.”

Percentual de visitas a hospitais com doenças respiratóriasdfd

No geral, os casos de gripe para a temporada 2021-2022 parecem estar voltando aos níveis pré-pandemia, impulsionados por locais como Missouri, Novo México e Dakota do Norte. Após uma temporada baixa no ano passado, o governo estima que houve pelo menos dois milhões de casos de gripe, 20.000 hospitalizações e cerca de 1.200 mortes pelo vírus respiratório nesta temporada.

Uma abordagem cada vez mais negligente das medidas de controle da covid-19, como uso de máscara, distanciamento social e lavagem das mãos, permitiu que a gripe retomasse seu padrão anual de disseminação em todo o país, disseram autoridades de saúde.

PUBLICIDADE

Veja mais: Ômicron, gripe ou resfriado? Veja os sintomas mais comuns de cada um

Uma doença semelhante à gripe -- definida como febre de mais de 37,8º acompanhada de tosse ou dor de garganta -- atualmente responde por 2,8% das visitas hospitalares, na terceira semana de janeiro, abaixo dos 4,8% na última semana de dezembro. No entanto, ainda está acima da linha de base nacional de 2,5% para a temporada.

Agora, após o choque inicial, os pesquisadores estão tentando determinar qual caminho a temporada seguirá. As taxas de gripe ainda podem aumentar novamente, disse Schaffner, especialmente porque a cepa de influenza B geralmente chega após a influenza A, que agora é dominante nos EUA.

“Pode diminuir e permanecer baixa, ou pode ter outro aumento com a influenza B”, disse Schaffner.

Fugindo da vacina

Embora as vacinas contra a gripe possam reduzir bastante o risco de hospitalizações ou mortes, as taxas de imunização diminuíram em comparação com as temporadas anteriores. A estimativa do CDC, de 31 de dezembro, quanto a cobertura de vacina contra a gripe em adultos permanece em 40%. Para a temporada 2020-21, a vacinação contra a gripe entre adultos foi de cerca de 50%, um aumento de cerca de 2 pontos percentuais em relação ao ano anterior. O CDC também relatou um declínio de 10% nas doses distribuídas em 31 de janeiro, em comparação com o mesmo período do ano passado.

Veja mais: Brasil tem aumento de casos de ‘flurona’

PUBLICIDADE

Especialistas dizem que a fadiga da vacina pode desempenhar um papel no declínio das vacinas contra a gripe. Para muitos, a vacina contra a gripe pode representar sua quarta vacina em um ano, após duas doses e uma de reforço contra covid. A desinformação é outro fator possível.

Eficácia média da vacina contra a gripe sintomática é de cerca de 40%dfd

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE