Green

Já pensou ficar sem café? Isso pode acontecer até 2050

A Colômbia, maior produtora de café arábica suave lavado, pode ser afetada pelas consequências das mudanças climáticas

Algumas medidas de adaptação podem incluir fitomelhoramento para gerar variedades mais adaptadas ou substituir grãos arábica por grãos robusta
05 de Fevereiro, 2022 | 09:36 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Blomberg Línea — O café é altamente sensível às mudanças climáticas e devido à devastação causada pelo fenômeno, países produtores como Brasil, Colômbia, Vietnã ou Indonésia devem passar por “reduções substanciais nas áreas aptas ao cultivo” nos próximos anos, concluiu um relatório divulgado pela a revista científica PLOS One.

O relatório analisa os fatores de risco associados às mudanças climáticas para o café, principalmente a variedade arábica, bem como para o cultivo de castanha de caju e abacate até o ano de 2050.

O risco é latente se levarmos em conta que há 40% de probabilidade de que a temperatura média anual da Terra aqueça 1,5°C nos próximos cinco anos, segundo a ONU.

Os analistas concluíram que “o café mostrou ser mais vulnerável às mudanças climáticas com impactos negativos que dominam todas as regiões produtoras, principalmente devido ao aumento das temperaturas”.

PUBLICIDADE

Enquanto isso, em comparação com o café, o caju e o abacate se mostraram mais resistentes às mudanças climáticas, embora “o estudo tenha mostrado que a será necessário adaptar-se às mudanças climáticas na maioria das principais regiões produtoras”.

As mudanças climáticas têm maior impacto negativo nas regiões cafeeiras devido à sua maior suscetibilidade a altas temperaturas.

“As medidas de adaptação podem incluir opções de manejo específicas do local, esforços de fitomelhoramento para gerar variedades mais adaptadas a temperaturas mais altas ou secas e, no caso do café, a substituição do café arábica por café robusta em determinadas regiões”, apontou.

De fato, argumenta-se que “novos locais de produção em altitudes e latitudes mais altas poderiam criar novas oportunidades de mercado. No entanto, políticas e estratégias são necessárias para garantir que mudanças nos locais de produção não geram impactos ambientais negativos, como desmatamento, perda de biodiversidade ou serviços ecossistêmicos.”

Veja mais: Café: Previsão de safra fica difícil com inundações no sul e sudeste

PUBLICIDADE

Com isso em mente, é importante garantir que haja um consenso entre os agricultores das áreas de produção, que devem estar dispostos a mudar seu manejo ou cultivar uma nova cultura. “Assim, medidas de adaptação e mudanças na produção terão de ser implementadas em abordagens participativas que permitam a participação dos players locais”, disse.

Variedade arábica é muito sensível às mudanças de temperaturadfd

Em recente entrevista à Bloomberg Línea, a diretora de Relações Governamentais e Assuntos Internacionais da WWF Colômbia, Ximena Barrera, alertou que, se a temperatura subir 1,5°C até o final do século, 9% da população mundial (700 milhões de pessoas) será exposta a ondas de calor extremas pelo menos a cada 20 anos; uma cena já dramática.

Mas se esse aumento chegar a 2°C, 28% da população mundial (2 bilhões de pessoas) será exposta a essas ondas de calor extremo. Além disso, com um aumento de 1,5°C, 6% dos insetos, 8% das plantas e 4% dos vertebrados serão afetados; um aumento de 2°C afeta o dobro desse índice.

“Firmar os compromissos de neutralidade de carbono até 2050 exigirá um aumento sem precedentes no uso de energia limpa. Até o final da década de 2020, os gastos anuais de capital em energia limpa devem se expandir mais de sete vezes, chegando a mais de US$ 1 trilhão, e espera-se que um aumento dessa magnitude traga benefícios econômicos e sociais significativos”, afirmou.

Segundo dados da Federação Nacional dos Cafeicultores da Colômbia, ou FNC, ao passo que a produção colombiana de café encerrou 2021 com 12,5 milhões de sacas de 60 quilos, 9% a menos que a safra de 2020, que rendeu quase 13,9 milhões de sacas, as exportações somam um total de 12,4 milhões de sacas.

A FNC atribui este resultado “ao impacto negativo dos lockdowns no segundo trimestre do ano” e “ao efeito do clima em algumas regiões cafeeiras, o que pode reduzir a produção”.

PUBLICIDADE

--Esta notícia foi traduzida por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Leia também

Daniel Salazar

Daniel Salazar Castellanos (BR)

Profissional de comunicação e jornalista com ênfase em economia e finanças. Participou do programa de jornalismo econômico da agência Efe, da Universidad Externado, do Banco Santander e da Universia. Ex-editor de negócios da Revista Dinero e da Mesa América da Efe.

PUBLICIDADE