Internacional

Nova Zelândia reabre fronteiras após dois anos de restrições por covid

Reabertura para neozelandeses vacinados da Austrália será à meia-noite de 27 de fevereiro e do resto do mundo à meia-noite de 13 de março

Primeira-ministra está sob intensa pressão para abrir a fronteira, pois a capacidade limitada em isolamento gerenciado frustrou milhares de neozelandeses que desejam retornar do exterior
Por Matthew Brockett
03 de Fevereiro, 2022 | 09:51 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A Nova Zelândia finalmente começará a reabrir para o mundo no final deste mês, à medida que a frustração aumenta em uma fronteira que está fechada há quase dois anos para impedir a entrada da covid-19.

A fronteira será reaberta para os neozelandeses vacinados da Austrália à meia-noite de 27 de fevereiro e do resto do mundo à meia-noite de 13 de março, disse a primeira-ministra Jacinda Ardern em um discurso nesta quinta-feira em Auckland. Alguns grupos de trabalhadores críticos e qualificados também poderão entrar a partir dessas datas. As chegadas não precisarão mais passar tempo em uma instalação de isolamento gerenciada pelo governo, mas serão obrigadas a se auto-isolar e apresentar testes negativos.

Ardern está sob intensa pressão para abrir a fronteira, pois a capacidade limitada em isolamento gerenciado, ou MIQ, frustrou milhares de neozelandeses que desejam retornar do exterior. O caso recente da jornalista neozelandesa grávida Charlotte Bellis, que procurou ajuda do Taliban no Afeganistão porque não conseguiu uma vaga no MIQ, ganhou manchetes em todo o mundo.

Veja mais: Covid: qual país foi mais resiliente ao vírus?

PUBLICIDADE

A fronteira fechada também cortou a oferta de mão de obra migrante e criou uma escassez de trabalhadores que está impedindo a recuperação econômica, elevando os salários e alimentando a inflação. As indústrias de turismo e educação internacional foram dizimadas pela ausência de estrangeiros.

Ao mesmo tempo, a estratégia ajudou a Nova Zelândia a evitar grandes surtos de coronavírus e limitou o número de mortos a apenas 53, dando-lhe uma das menores taxas de mortalidade por pandemia do mundo.

“A angústia do MIQ foi real e de partir o coração”, disse Ardern. “Mas a escolha de usá-lo inegavelmente salvou vidas.”

Com a variante ômicron altamente contagiosa agora se instalando, o único objetivo restante das restrições nas fronteiras era dar tempo ao governo para administrar vacinas de reforço ao maior número possível de pessoas.

PUBLICIDADE

Mais de 94% das pessoas com 12 anos ou mais já estão totalmente vacinadas e o governo disse que 92% das pessoas com mais de 18 anos serão elegíveis para um reforço até o final de fevereiro.

Veja mais: Nômade digital? Novas modalidades de visto de trabalho ajudam

Plano de cinco etapas

Sob o plano de reabertura de cinco etapas, os portadores de visto de não-cidadão e até 5.000 estudantes internacionais poderão entrar no país a partir da meia-noite de 12 de abril.

Mas os turistas não poderão vir até julho, quando a fronteira será aberta para qualquer pessoa da Austrália e para viajantes de outros países com isenção de visto, como EUA e Reino Unido.

Inicialmente, os recém-chegados precisarão se auto-isolar por 10 dias, caindo para sete dias depois, e Ardern disse que os requisitos de isolamento serão mantidos sob revisão constante.

Mas Kevin Ward, executivo-chefe da Associação de Aeroportos da Nova Zelândia, disse que a exigência contínua de auto-isolamento impedirá qualquer recuperação significativa na demanda por viagens ao país.

PUBLICIDADE

“A Nova Zelândia permanecerá essencialmente fora do mapa para viajantes internacionais e muitas companhias aéreas”, disse ele. “As pessoas não querem voar para a Nova Zelândia se tiverem que passar a primeira semana sentadas em um hotel.”

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também: Sem alerta de risco, Europa flexibiliza medidas contra a pandemia

Últimas BrasilCovidNova Zelândia
PUBLICIDADE