Finanças pessoais

BlackRock segue otimista com empresas de energia que reduzem emissões

A transição para emissões líquidas zero de carbono levará décadas e os riscos incluem oscilações nos preços de energia

Emisiones
Por Silla Brush
03 de Fevereiro, 2022 | 07:45 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

A BlackRock (BKCC), a maior gestora de recursos do mundo, disse aos clientes que os mercados financeiros estão apenas começando a precificar os efeitos das mudanças climáticas, o que cria oportunidades de investimento significativas em setores como petróleo e gás.

A transição para emissões líquidas zero de carbono levará décadas e os riscos incluem oscilações nos preços de energia, escreveram os executivos seniores da BlackRock em uma carta aos clientes e um relatório de pesquisa. Investir em empresas de combustíveis fósseis que estão trabalhando para reduzir sua pegada de carbono é uma “oportunidade subvalorizada”, de acordo com o gestor de ativos.

“Hoje há um grau significativo de incerteza sobre a transição”, escreveram executivos, como Philipp Hildebrand, vice-presidente, e Mark Wiedman, chefe de estratégia internacional e corporativa. “A questão, no entanto, não é mais se a transição para emissão zero acontecerá, mas como, e o que isso significa para o seu portfólio.”

A BlackRock está se posicionando como líder em investimentos em energia renovável, mas também enfrentou críticas de grupos ambientalistas por não fazer o suficiente para pressionar as empresas de combustíveis fósseis. E mesmo as empresas mais progressistas em relação ao clima têm encontrado dificuldades para abandonar completamente as indústrias poluentes quando os países ainda estão a anos de distância da energia limpa.

PUBLICIDADE

“A BlackRock merece crédito por sua liderança até agora”, disse Ben Cushing, gerente de campanha de finanças sem fósseis do Sierra Club. “Mas navegar com sucesso e liderar a transição exigirá escolhas difíceis sobre como parar de investir nas empresas que nos atrasam.”

Uma subsidiária da Brookfield Asset Management também vê oportunidades em setores como o de gasodutos, à medida que o investimento em ESG acelera. As empresas de petróleo e gás estavam entre alguns dos melhores desempenhos no índice S&P 500 no ano passado.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE