Saúde

Ômicron: subvariante BA.2 é mais transmissível e pode causar nova onda na África

Variante original já é mais transmissível que cepas anteriores; com a subvariante um novo pico de infecções pode ocorrer no país

Apesar de ser muito transmissível, os casos são mais leves
Por Antony Sguazzin
02 de Fevereiro, 2022 | 05:31 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Uma subvariante da cepa ômicron do coronavírus, conhecida como BA.2, está se espalhando rapidamente na África do Sul e pode causar uma nova onda de infecções, disse um dos principais cientistas do país.

A BA.2 está causando preocupação, pois estudos comprovam que parece ser mais transmissível do que a cepa original, cuja descoberta foi anunciada pela África do Sul e por Botsuana em novembro.

A pesquisa também mostra que adquirir uma infecção leve com qualquer uma das duas cepas pode não oferecer uma resposta imunológica robusta o suficiente para proteger contra outra infecção pela variante ômicron. Não há indicação de que a subvariante cause doenças mais graves de acordo com os surtos de infecção observados na Dinamarca e no Reino Unido.

A onda de infecções pela variante ômicron “pode acabar sendo como um camelo”, disse Tulio de Oliveira, professor de bioinformática que administra instituições de sequenciamento de genes e aconselha o governo sobre a pandemia, em apresentação na Universidade Stellenbosch na quarta-feira (2). “Uma onda com outro pico”.

PUBLICIDADE

Até agora a cepa infectou um número significativo de pessoas em sete das nove províncias da África do Sul, é dominante na região do Limpopo e está prestes a se tornar em Gauteng, a província mais populosa, segundo a apresentação de Oliveira.

Ainda assim, embora a África do Sul tenha sido o primeiro país a passar por uma grande onda de infecções pela ômicron, o número de infecções diminuiu. Na terça-feira (1), o país registrou 3.085 novos casos, número abaixo de um recorde de quase 27 mil em 15 de dezembro. A cepa ômicron original é significativamente mais transmissível do que variantes anteriores, como a delta, mas parece causar doenças mais leves.

Oliveira esteve envolvido na descoberta da variante beta na África do Sul no fim de 2020.

--Esta notícia foi traduzida por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também