PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Brasil

Brasília em Off: A irritação de Bolsonaro com Guedes pelos servidores

O presidente tem colocado na conta do ministro a gritaria do funcionalismo público por aumento de salários

Presidente Bolsonaro tem colocado na conta do ministro Paulo Guedes a gritaria do funcionalismo público por aumento de salários
Por Martha Beck
28 de Janeiro, 2022 | 02:21 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O presidente Jair Bolsonaro tem colocado na conta do ministro da Economia, Paulo Guedes, a gritaria do funcionalismo público por aumento de salários. Interlocutores do presidente afirmam que o ministro insuflou as categorias ao dizer publicamente que não havia condições para fazer uma recomposição para todos e jogar luz sobre o acordo que Bolsonaro havia fechado apenas com as polícias federal, rodoviária e penitenciária. Guedes teria ido dar satisfação ao mercado financeiro e tornou pública uma situação que deveria ter ficado intramuros.

Portas entreabertas

A equipe econômica não fecha totalmente as portas para um aumento do funcionalismo. Mas a ideia é levar o assunto em banho-maria ao longo do primeiro semestre. No segundo, dependendo do comportamento da ômicron e seus efeitos na economia, seria possível discutir o assunto. Isso, claro, não passa pela reposição de perdas inflacionárias desde 2017, como querem algumas categorias -- que já se preparam para novas manifestações na volta do recesso do Congresso.

PUBLICIDADE

Insensatez da PEC

Integrantes da Economia consideram a ideia de segurar altas nos preços de combustíveis e energia com uma redução de tributos federais e por meio de uma PEC uma insensatez. A conta de zerar esses impostos chega a R$ 75 bilhões. Embora esse valor não bata no teto de gastos, vai bater na meta de resultado primário.

A equipe até concorda com uma redução tributária para combustíveis, desde que seja algo limitado. Atender aos caminhoneiros, por exemplo, seria defensável. Guedes já apresentou seus argumentos a Bolsonaro, mas diante das pressões políticas, agora tenta apenas evitar estragos junto ao mercado financeiro. Para ele, o mais importante é que a Petrobras não sofra uma intervenção em sua política de preços e continue acompanhando o mercado internacional.

Centrão não é suicida

Lideranças do PT avaliam que os caciques do PP que hoje estão nos braços de Bolsonaro, notadamente Ciro Nogueira, na Casa Civil, e Arthur Lira, no comando da Câmara, virão para perto de Lula na reta final da campanha presidencial. O centrão, avaliam, tem instinto de sobrevivência e não é nem nunca foi suicida.

PUBLICIDADE

A proximidade com Bolsonaro rendeu a Nogueira e Lira caminhões de dinheiro para suas bases no Nordeste por meio de emendas e primeiro é preciso capitalizar em cima disso. A mesma avaliação vale para o ministro das Comunicações, Fabio Faria, que negocia para se filiar ao PP.

Isso não quer dizer que o PT vá facilitar a vida desses retardatários. O partido caminha para construir alianças que possam lhe render uma base ampla da Câmara com a ajuda de outros partidos do centrão, de modo que o PP terá que rebolar para entrar na turma.

Tweets da semana

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE