PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Maior ETF de ouro do mundo dispara com demanda em alta

Sell-off de ações, tensões na Ucrânia e queda do bitcoin aumentaram o apelo do ativo, que registrou a maior entrada desde 2004

Disparada indica inclinação do interesse dos investidores no longo prazo
Por Ranjeetha Pakiam
24 de Janeiro, 2022 | 06:48 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O ouro acaba de receber um sinal muito otimista de investidores que estão retornando ao metal precioso em grande estilo.

O SPDR Gold Shares (GLD), maior fundo negociado em bolsa lastreado em barras de ouro, registrou na sexta-feira (21) sua maior entrada líquida em dólares desde a listagem em 2004, cujo valor é de US$ 1,63 bilhão. As mudanças nas participações em ETFs são monitoradas como um indicador do interesse dos investidores em apostas de longo prazo em ouro. As participações caíram em 2021, um ano morno para os preços do ouro.

PUBLICIDADE

A disparada ocorre antes da reunião crucial do Federal Reserve nesta semana, que, segundo esperado por economistas, deve sinalizar o início do aumento das taxas de juros em março. Mesmo enquanto o Fed se prepara para apertar a política monetária, o que pode diminuir o apelo do ouro não remunerado, a demanda pelo ativo encontrou respaldo na queda nas ações, nas tensões entre Estados Unidos e Rússia sobre a Ucrânia e na queda do bitcoin.

SPDR Gold Shares registra maior entrada desde sua listagem em 2004dfd

O recente aumento na volatilidade do mercado, o aumento das tensões geopolíticas e a queda nos preços dos criptoativos provavelmente aumentaram o apelo do ouro como porto seguro”, disse Robin Tsui, estrategista de ouro da Ásia-Pacífico do negócio global de SPDR da State Street Global Advisors, agente de marketing do SPDR Gold Shares.

Em termos de toneladas, a entrada líquida na sexta-feira foi de 27,6 toneladas. Enquanto isso, os fundos de hedge negociados na Comex reduziram suas apostas para uma baixa de cinco semanas na semana encerrada na última terça-feira (18).

PUBLICIDADE

O ouro teve um 2021 morno depois de bater um recorde em 2020. Com os bancos centrais globais começando a reduzir os estímulos pela pandemia e a variante ômicron do coronavírus menos prejudicial do que esperado, o entusiasmo dos investidores por barras de ouro oscilou. No ano passado, o ETF registrou sua maior saída anual em termos de tonelagem desde 2013.

--Com a colaboração de Jake Lloyd-Smith e Eddie Spence.

--Esta notícia foi traduzida por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE