PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde

Dose de reforço é eficaz contra delta e ômicron, dizem estudos

Proteção das doses contra mortes por covid foi diminuída após o aumento da ômicron, mas permaneceu significativa, segundo estudo nos EUA

Os reforços reduziram o risco de hospitalização em 94% na era delta e em 90% após o aumento da ômicron
Por Fiona Rutherford
21 de Janeiro, 2022 | 07:02 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Doses de reforço de vacinas contra a covid-19 aumentaram a proteção contra as variantes delta e ômicron em três estudos que analisaram infecções, internações hospitalares e mortes em milhares de pacientes nos Estados Unidos.

Terceiras doses de vacinas de RNA mensageiro feitas pela Moderna e a parceria entre Pfizer e BioNTech foram pelo menos 90% eficazes na prevenção de hospitalizações durante os períodos de delta e ômicron, de acordo com uma análise de centenas de milhares de hospitalizações e consultas clínicas.

A proteção das doses contra mortes por covid foi diminuída após o aumento da ômicron, mas permaneceu significativa, de acordo com um estudo dos Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA.

Veja mais: Estou com covid, quando devo tomar a terceira dose?

PUBLICIDADE

A urgência para vacinações e reforços tem sido sinalizada em meio a relatos de que a ômicron causa doenças mais leves do que variantes anteriores. No entanto, muitos hospitais permanecem sobrecarregados pelo grande número de pacientes infectados pela variante, tornando a prevenção uma parte fundamental da batalha contra o coronavírus.

As doses de reforço têm sido controversas, pois muitos países de baixa e média renda não conseguiram garantir nem mesmo as primeiras doses para suas populações.

Covax, o programa apoiado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para distribuir doses com equidade em todo o mundo, atingiu recentemente o marco de entregar 1 bilhão de doses, enquanto somente nos EUA foram administradas mais de 500 milhões. A OMS não endossou o uso de reforços, exceto para populações vulneráveis, como doentes e idosos.

Cerca de 63% da população dos EUA está totalmente vacinada e apenas 24% receberam uma dose de reforço, de acordo com o dados rastreados pela Bloomberg. Isso se compara com 49% da população com dose de reforço na Alemanha e 55% no Reino Unido.

PUBLICIDADE

O estudo de hospitalização, publicado no Relatório Semanal de Morbidade e Mortalidade do CDC, analisou mais de 300.000 consultas para doenças semelhantes à covid em departamentos de emergência, clínicas de atendimento de urgência e hospitalizações em 10 estados entre agosto e janeiro. Os reforços reduziram o risco de hospitalização em 94% na era delta e em 90% após o aumento da ômicron.

Veja mais: Ômicron, gripe ou resfriado? Veja os sintomas mais comuns de cada um

No outro estudo publicado pelo CDC, as pessoas não vacinadas tiveram um risco 53 vezes maior de morte por covid durante outubro e novembro em comparação com aquelas que foram vacinadas e reforçadas. O aumento do risco para os não vacinados caiu para 13 vezes durante a ascensão da ômicron, que tem demonstrado capacidade de driblar a proteção oferecida pelas vacinas.

Os reforços foram ainda apoiados por um terceiro estudo que descobriu que as doses extras fornecem proteção significativa contra a covid sintomática causado por delta e ômicron. As pessoas que receberam uma terceira dose foram menos propensas a procurar atendimento para infecções sintomáticas do que aquelas que receberam apenas duas ou nenhuma, de acordo com o estudo publicado pelo jornal médico JAMA.

Veja mais em bloomberg.com