PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Selic chegará a 12% e só deve começar cair em 2023, diz BNP

Banco prevê que o Banco Central deve manter a taxa em nível elevado de até 9%

Mercado discute fim do ciclo de aperto monetário no Brasil
Por Josue Leonel
20 de Janeiro, 2022 | 01:16 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O Banco Central brasileiro deve elevar a taxa Selic para até 12% este ano e terá de manter o juro alto por um período prolongado à medida em que a inflação demora para convergir à meta, segundo Marcelo Carvalho, diretor global de pesquisa para mercados emergentes do BNP Paribas.

PUBLICIDADE

O banco prevê que o BC só deve começar a aliviar a política monetária em 2023, e ainda assim mantendo a taxa em nível elevado, de até 9%. A política monetária seguirá apertada para enfrentar os riscos esperados para o ano e porque a inflação permanecerá alta, acima de 8% em doze meses, pelo menos neste primeiro semestre.

“Não acho que o BC começará a cortar o juro tão cedo, em parte por causa da alta da taxa do Fed”, disse Carvalho, em entrevista de Londres. Ele cita ainda incertezas eleitorais e fiscais no Brasil e o impacto da ômicron na China entre os fatores que devem exigir cautela por parte da autoridade monetária neste ano.

PUBLICIDADE

“Em país emergente, a inflação sobe de elevador, mas desce de escada”, afirma o diretor do BNP.

As eleições trazem risco de volatilidade para o mercado com a pressão por aumento de gastos elevando a incerteza sobre a política fiscal do próximo presidente, segundo Gustavo Arruda, diretor de pesquisas para América Latina do BNP Paribas.

O que pode ajudar a limitar o impacto da eleição no mercado é o fato de ter sido aprovada a autonomia do Banco Central. “Essa é nossa primeira eleição com BC independente e isso gera um risco menor. O problema é que o fiscal está mais frágil”, diz Arruda.

Fluxo estrangeiro

Apesar das incertezas, a combinação de preços relativamente baixos na bolsa e juros elevados está ajudando a atrair o capital estrangeiro para alguns ativos brasileiros, afirmam os executivos do BNP.

PUBLICIDADE

“O preço da bolsa brasileira em dólar começa a ficar atrativo principalmente quando comparados a outras bolsas, como as americanas, que já andaram bastante”, diz Carvalho.

A alta da Selic também ajuda a atrair o estrangeiro para a dívida local e pode limitar a desvalorização do real, afirma Arruda. Ele prevê um dólar a R$ 5,60 no fim do ano, apenas ligeiramente acima do nível atual.

Leia mais: Investidores externos compram ações desvalorizadas do Brasil

Embora o aumento de juros do Fed favoreça a alta do dólar este ano, as perdas do real podem ser suavizadas também pela percepção de que a moeda brasileira já se depreciou muito e pelas contas externas do país, segundo Carvalho.

“O Brasil mostra um balanço de pagamentos resiliente e tem um colchão significativo de reservas”, disse ele.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também