PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Investidores globais aproveitam barganhas no mercado brasileiro

Não residentes adicionaram cerca de R$ 7,8 bilhões (US$ 1,4 bilhão) às ações brasileiras na semana passada, o maior valor líquido semanal em um ano

A eleição presidencial, marcada para outubro próximo, aumentará muito a volatilidade do mercado
Por Vinicius Andrade
19 de Janeiro, 2022 | 08:05 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os investidores offshore estão colocando dinheiro para trabalhar no mercado de ações do Brasil, à medida que correm para a exposição aos produtores de commodities com valuations desfavorecidos.

Os não residentes adicionaram cerca de R$ 7,8 bilhões (US$ 1,4 bilhão) às ações brasileiras na semana passada, o maior valor líquido semanal em um ano, e mais compras continuaram na segunda-feira (17), segundo dados da bolsa compilados pela Bloomberg.

PUBLICIDADE

Um dos índices de ações com pior desempenho do mundo no ano passado, o Ibovespa (IBOV) de 93 ações é negociado a cerca de 8 vezes o lucro futuro, o menor em uma década. Isso se compara a múltiplos de cerca de 20 vezes para o S&P 500 e 12 vezes para o FTSE 100.

Em níveis tão baixos, as ações do Brasil estão bem posicionadas para uma recuperação, disseram analistas.

Veja mais: Fundos em foco: O erro da Verde; SPX tem melhor ano desde 2017

PUBLICIDADE

“Há pouca desvantagem, pouca decepção”, disse Emy Shayo, chefe de estratégia de ações para a América Latina do JPMorgan Chase.

Investidores não residentes adicionaram cerca de R$ 7,8 bilhões entre 10 e 14 de janeirodfd

As entradas estrangeiras ocorrem depois que os brasileiros retiraram dinheiro de fundos locais no mês passado, trocando ações por produtos de renda fixa e contribuindo para mais vendas - e mais barateamento. Os fundos de ações brasileiros locais registraram saques de 3,4 bilhões de reais em dezembro, segundo a associação de mercado de capitais Anbima.

“Os valuations estão sendo empurradas para níveis atraentes” à medida que os fundos domésticos veem resgates, disse Malcolm Dorson, gerente de portfólio da Mirae Asset Global Investments LLC em Nova York.

Outro impulsionador tem sido a força dos preços globais das commodities, que tradicionalmente ajudaram empresas como a gigante de minério de ferro Vale (VALE3) e a Petrobras (PETR4), que juntas respondem por quase um terço do índice de referência. Seis dos dez melhores desempenhos do Ibovespa até agora neste ano estão vinculados a commodities.

Veja mais: Ação da Vale voltará à casa dos R$ 100? Banco Inter vê preço-alvo de R$ 109

“Vimos muito impulso nas ações do setor de materiais e energia em todo o mundo”, disse Morgan Harting, gerente sênior de portfólio da AllianceBernstein em Nova York. “O mercado brasileiro é mais pesado nesses setores do que a maioria.”

PUBLICIDADE
Melhores desempenhos do Ibovespa até agora estão vinculados a commoditiesdfd

Advertência eleitoral

Apesar dos múltiplos atrativos, é improvável que o caminho à frente seja suave.

A eleição presidencial no Brasil, marcada para outubro próximo, aumentará muito a volatilidade do mercado. A consultoria política Eurasia Group disse que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem uma vantagem sobre o atual presidente Jair Bolsonaro, já que o esquerdista promete maiores gastos públicos após a pandemia.

Veja mais: Aceno de Lula a BC independente destoa de discurso tradicional do PT

PUBLICIDADE

Ainda assim, para alguns, como Dorson, da Mirae, a potencial reviravolta política é bem contabilizada nos preços atuais de algumas ações.

“Existem oportunidades baratas suficientes agora, criando uma margem de erro em que você não precisa jogar a política de uma maneira ou de outra”, disse ele.

O MSCI Brazil Materials Index fechou em alta de 3,2% nesta quarta-feira (19), a maior alta em quatro meses.

--Com assistência de Aline Oyamada e Patricia Lara

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE