PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Clientes do Goldman Sachs apostam em bolsas da Europa em 2022

Apostas otimistas para o Velho Continente apontam que as bolsas da região podem ter desempenho melhor que os EUA este ano

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os clientes do Goldman Sachs juntaram-se ao coro de apostas otimistas para a Europa, com a previsão de que as bolsas da região terão desempenho superior este ano, à medida que as perspectivas para as ações dos EUA se retraem.

O banco pesquisou o público em sua 30ª conferência anual de estratégia global nesta semana, com a participação de mais de 3.000 clientes de todo o mundo, de acordo com uma nota.

PUBLICIDADE

Quando perguntado qual região terá melhor desempenho no mercado de ações em 2022, em moeda local, a Europa atraiu mais votos, com 36%, acima dos 21% do ano passado.

Os resultados ecoam as opiniões dos próprios estrategistas de ações do Goldman, que afirmaram que as ações europeias são um bom lugar para buscar abrigo à medida que as taxas de juros sobem. A equipe de estratégia do Morgan Stanley concorda, citando as avaliações de preços menos esticadas.

Os estrategistas da Sanford C. Bernstein estão taticamente overweight na Europa em um horizonte de um ano, dizendo que os EUA são mais vulneráveis ao aumento dos rendimentos dos títulos e que a diferença de ganhos entre as duas regiões está diminuindo.

PUBLICIDADE

Enquanto alguns estrategistas apostam no desempenho superior da Europa há anos, graças a avaliações mais baratas e a um mercado mais cíclico, essas expectativas raramente se concretizam.

As bolsas da região ficaram atrás dos EUA durante a maior parte da última década, já que as ações americanas desafiam as preocupações sobre seus níveis esticados.

No entanto, durante a última turbulência alimentada por temores de juros mais altos, o índice Stoxx Europe 600 se saiu melhor do que o mercado dos EUA, onde as ações de tecnologia estão sob pressão.

PUBLICIDADE

“Acreditamos que os riscos estão crescendo nos EUA de forma relativa. Embora as avaliações de preços na maioria dos mercados, como Europa, Japão e emergentes, tenham caído este ano, apenas os EUA parecem cada vez mais caros”, estrategistas do Goldman, incluindo Guillaume Jaisson, disseram em nota na quarta-feira.

“A concentração extraordinariamente alta de ações dentro do S&P o deixa mais vulnerável a pressões provenientes de regulamentação antitruste ou rendimentos de títulos mais altos.”

Nem todos compartilham o otimismo sobre as perspectivas da Europa: Max Kettner, do HSBC Holdings, prefere os EUA às small caps e bancos da zona do euro.

PUBLICIDADE

Além disso, a pesquisa com os clientes do Goldman em sua conferência anual não tem o melhor histórico. No ano passado, o público disse que a Ásia ex-Japão teria um desempenho superior, mas esse se revelou “um dos investimentos com pior desempenho”, disseram estrategistas do Goldman.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE