PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cripto

2TM compra portuguesa Criptoloja e inicia expansão na Europa

Operação inicial será do tipo “OTC like”, de balcão, e posteriormente será levada a plataforma ao varejo local

Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg Línea — A 2TM, controladora do Mercado Bitcoin, decidiu comprar uma participação na Criptoloja, uma exchange de criptoativos de Portugal, informou a holding em nota. O negócio marca a entrada do grupo brasileiro no mercado europeu.

Segundo a 2TM, a operação inicial será do tipo “OTC like”, de mercado de balcão. Posteriormente, será levada a plataforma do Mercado Bitcoin também para o varejo local e para investidores institucionais. O valor da aquisição não foi informado.

PUBLICIDADE

“Vamos ter acesso ao mercado europeu com claras sinergias com nossa presença na América Latina, pois compartilhamos o mesmo idioma, marca reconhecida e oportunidades de cross-sell para clientes. Além disso, existem muitos brasileiros vivendo em Portugal que adorariam investir por meio de nossa plataforma”, disse Roberto Dagnoni, CEO do Grupo 2TM.

O banco central português concedeu no ano passado à Criptoloja a primeira licença para operar como exchange de criptoativos no país. A operação está sujeita à aprovação desse órgão regulador.

Para Dagnoni, além da operação em Portugal, o negócio coloca a 2TM na rota de um ecossistema de fintech e blockchain emergente na Europa. Isso porque Portugal é considerado um dos países de maior atividade no segmento cripto e de tecnologia da Europa.

“O negócio cripto é global e as rodadas série A e B de captação que fizemos nos dão a força necessária para participar intensamente deste cenário. Portugal é um mercado estratégico porque, além de exigir licença específica e ter importância crescente no cenário cripto, mostra um caminho para o mercado europeu”, disse Dagnoni.

Toni Sciarretta

Toni Sciarretta

News director da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista com mais de 20 anos de experiência na cobertura diária de finanças, mercados e empresas abertas. Trabalhou no Valor Econômico e na Folha de S.Paulo. Foi bolsista do programa de jornalismo da Universidade de Michigan.

PUBLICIDADE