Tech

Popularidade de veículos elétricos na China aquece mercado

Veículos ecológicos estão em alta no país, seja por seus benefícios ou pelo fim dos incentivos do governo para sua compra

Novas ondas de covid e a contínua escassez de chips são alguns dos problemas
Por Bloomberg News
10 de Janeiro, 2022 | 09:20 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Após o crescimento explosivo do mercado de veículos elétricos da China no ano passado, o que os consumidores devem aguardar este ano?

Em suma: mais do mesmo. As vendas – que mais do que dobraram no ano passado e devem chegar a 3 milhões assim que os números de dezembro forem divulgados – devem quase dobrar novamente e chegar a 6 milhões, de acordo com a China Passenger Car Association. Os veículos de novas energias, que incluem carros elétricos, híbridos plug-in e automóveis com células de combustível, serão responsáveis por cerca de uma em cada cinco das vendas de carros novos.

Uma das principais razões para o aumento esperado nas vendas é o fim dos subsídios do governo para compras de veículos elétricos, que não estarão disponíveis a partir de 2023. Introduzidos há 12 anos para apoiar o desenvolvimento da indústria nascente, os subsídios foram gradualmente reduzidos, mas ainda valem até 12,6 mil yuans (cerca de US$ 1,9 mil) em compras de até 300 mil yuans (aproximadamente US$ 47 mil).

A crescente preferência por veículos mais ecológicos e limpos também contribuiu para o aumento das vendas de veículos elétricos. Além disso, veículos elétricos são considerados mais inteligentes que veículos com motores de combustão interna, oferecendo características que vão desde direção autônoma a karaokê integrado. As novatas Xpeng, Nio e Li Auto se estabeleceram como concorrentes sérias, enquanto a pequena Hongguang Mini, da SAIC-GM-Wuling Automobile, provou ser popular entre os jovens motoristas preocupados com os preços.

PUBLICIDADE

Os novos proprietários de veículos elétricos também podem querer evitar possíveis aumentos de preços devido à escassez de peças e ao aumento dos custos das matérias-primas. Na véspera de Ano Novo, a Tesla (TSLA) aumentou o preço dos veículos Modelo Y fabricados em sua fábrica em Xangai em mais de 20 mil yuans e aumentou o custo de seu Modelo 3 em 10 mil yuans – o segundo aumento em cerca de um mês. Outras montadoras, incluindo a Polestar, FAW-VW e Leap Motor, também aumentaram os preços ou estabeleceram uma data para encerrar os incentivos.

Isso está pesando para o cidadão de Pequim Zhang Xin, que finalmente decidiu trocar seu velho carro a gasolina por um veículo elétrico.

“O financiamento para a compra de um carro é muito menor agora do que há alguns anos, mas ainda é muito caro”, disse o técnico de 45 anos. “Só espero conseguir um antes que o preço aumente ainda mais”.

Ainda assim, o próximo ano não será tranquilo e os desafios serão familiares: a contínua escassez de chips e os problemas na cadeias de suprimentos e fabricação devido à covid. A BYD disse na semana passada que a produção em suas instalações de Xi’an havia retornado aos níveis normais depois de ser afetada quando a cidade de 13 milhões de habitantes entrou em lockdown no final de dezembro.

PUBLICIDADE

A Geely disse que um surto de casos de Covid na cidade não diminuiu a produção em suas fábricas em Ningbo, mas alertou que a eficiência da cadeia de suprimentos e as entregas podem ser afetadas.

Se esses obstáculos puderem ser superados, parece que o mercado de veículos elétricos da China terá mais um ano de grande sucesso.

--Esta notícia foi traduzida por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

China teme surto de covid com ômicron mais perto de Pequim

Covid atinge alto escalão da equipe econômica do Brasil

PUBLICIDADE