PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Petróleo oscila com investidores de olho no Cazaquistão e na Líbia

Demanda pela commodity tem permanecido alta ao redor do mundo, mesmo com a disseminação da variante ômicron

Yacimientos de petróleo en Rusia
Por Jake Lloyd-Smith e Alex Longley
10 de Janeiro, 2022 | 08:10 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Os preços do petróleo oscilavam nesta segunda-feira (10) após registrarem o maior ganho semanal em um mês, com a volta dos estoques no Cazaquistão, enquanto a produção na Líbia permaneceu volátil.

O petróleo Brent (BRENT) subiu para perto de US$ 82 o barril, após oscilação anterior. A produção da Líbia aumentou para 900 mil barris por dia depois que a manutenção do oleoduto foi concluída, embora alguns de seus portos pudessem ser fechados na próxima semana devido ao mau tempo. Parte da produção foi restaurada no Cazaquistão após agitação generalizada.

PUBLICIDADE

Por enquanto, a demanda tem se mantido bem contra a disseminação da ômicron em todo o mundo e os especuladores aumentaram as apostas no benchmark global Brent para uma alta de seis semanas como resultado.

Os investidores estão focados na China, que continua lutando contra os surtos do vírus. O maior importador de petróleo do mundo iniciou uma blitz de testes em massa na cidade portuária de Tianjin, ao norte, enquanto o país se esforça para manter a abordagem de tolerância zero para Covid-19 em face de variantes mais transmissíveis.

“O petróleo bruto está sendo comercializado de forma estável, com foco na demanda robusta e, até agora, em uma queda limitada relativa à ômicron”, disse Ole Hansen, chefe de estratégia de commodities do Saxo Bank. “A contenção da ameaça de curto prazo de preços ainda mais altos está facilitando as interrupções no fornecimento na Líbia e no Cazaquistão, mas a demanda geral permanece robusta.”

PUBLICIDADE

Preços do petróleo

  • O Brent para liquidação em março subia 0,3% para US$ 82,01 o barril perto das 7h, horário de Brasília
  • O WTI (WTI) para entrega em fevereiro avançava 0,4% para US$ 79,19 o barril

O petróleo teve um forte início de 2022, impulsionando uma combinação de otimismo sobre a demanda global e interrupções no fornecimento. Isso apertou o mercado, ajudando os spreads de curto prazo a se firmarem em uma estrutura de alta. Embora a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep+) e seus aliados tenham concordado em aumentar ainda mais a produção, existe a preocupação de que o grupo possa não ser capaz de entregar a quantidade planejada na íntegra.

Leia também

Quem são os principais clientes do agro do Brasil?

Teste de farmácia para covid custa quase R$ 500 no aeroporto de Miami