Negócios

Afastamento de funcionários por ômicron testa recuperação econômica

Absenteísmo generalizado já está restringindo a produção e vários economistas começaram o ano rebaixando previsões para o PIB

Falta de pessoal afeta fluxo de passageiros no aeroporto de Houston, Texas
Por Shawn Donnan, Sarah McGregor e Mary Schlangenstein
09 de Janeiro, 2022 | 01:49 pm
Tempo de leitura: 6 minutos

Bloomberg — Com a onda ômicron da pandemia se espalhando rapidamente pelos EUA, a robusta recuperação econômica está enfrentando uma nova ameaça sobre a qual os legisladores têm pouco controle: pessoas ligando para dizer que estão doentes.

O que começou como uma série de cancelamentos de voos durante o feriado, quando os pilotos e outros funcionários adoeceram ou foram forçados a ficar em quarentena, está se tornando uma realidade em fábricas, supermercados e portos, e novamente testando as cadeias de suprimentos.

O absenteísmo generalizado já está restringindo a produção, e vários economistas começaram o ano novo rebaixando suas previsões para o primeiro trimestre. Mesmo que o impacto seja temporário, como muitos antecipam, as interrupções e fechamentos provavelmente retardarão a frágil recuperação em alguns setores e pesarão sobre os planos futuros das empresas.

“Você simplesmente não sabe quando vai bater em você”, disse James Beall, diretor executivo da rede Ledo Pizza da área de Washington, D.C. Em qualquer dia da semana passada, pelo menos três dos 110 locais da empresa foram fechados e até cinco estavam operando em horário reduzido. “Nosso novo normal está se transformando em outro novo normal.”

PUBLICIDADE

O quão ruim ou duradouro serão os números da ômicron pode levar semanas para determinar. O relatório de empregos de dezembro, divulgado na sexta-feira, mostrando uma taxa de desemprego de 3,9%, mesmo com a pandemia, se baseou em dados coletados principalmente antes da propagação da variante. Mesmo os números de janeiro, que deve ser divulgado em 4 de fevereiro, provavelmente não refletirão a totalidade do impacto, que é mais provável de ser medido em perda de produção devido a faltas por doença do que em empregos perdidos.

Nick Bunker, economista-chefe da empresa de anúncios de emprego online Indeed Inc., compara o impacto da ômicron à nevasca de 1978, que despejou até um metro e vinte de neve na Nova Inglaterra em menos de 36 horas e gerou semanas de perturbação mas também uma recuperação rápida. Ao contrário da nevasca e até das ondas anteriores de covid-19, a variante se tornou rapidamente um evento nacional, com novos casos chegando a 1 milhão por dia na semana passada.

Isso significa um “grande, muito, muito grande choque agudo na economia e no mercado de trabalho especificamente. Mas então a esperança é que, como uma tempestade, termine e haja um retorno às tendências anteriores “, disse Bunker.

O que dizem os economistas da Bloomberg?

PUBLICIDADE

“Embora esperemos que a variante ômicron diminua temporariamente o ímpeto das contratações em janeiro, ela não altera fundamentalmente a trajetória de aperto do mercado de trabalho depois disso.” -- Anna Wong e Andrew Husby, economistas

Na Capital Economics, o economista sênior para os EUA Andrew Hunter calculou que mais de 5 milhões de trabalhadores foram forçados a ficar em casa na semana passada.

“As coisas só tendem a piorar no curto prazo”, escreveu ele em uma nota aos clientes. Além disso, “a sabedoria convencional de que a ômicron não representa uma ameaça para a economia pode se provar muito otimista.”

Dias de doença ‘sem precedentes’

A falta de pessoal continuou a perturbar as companhias aéreas, com a Alaska Airlines dizendo que um número “sem precedentes” de trabalhadores ligando para dizer que estavam doentes a fez cancelar 10% de seus voos para o resto de janeiro.

A verdadeira questão para a indústria é se isso fará com que as operadoras desacelerem o crescimento planejado para 2022, se isso vai continuar em fevereiro e depois, disse Conor Cunningham, analista da MKM Partners. “Minha expectativa é que outras companhias aéreas terão que desacelerar o crescimento”, disse Cunningham.

Alguns hospitais estão em um ponto de atenção, lidando com mais funcionários doentes afastados ou expostos do que no pior momento da pandemia.

PUBLICIDADE

“Colocamos mais funcionários porque testaram positivo e contraíram covid do que no início”, disse Lynda Shrock, vice-presidente de recursos humanos do Logansport Memorial Hospital em Logansport, Indiana.

Fechamento de lojas

Na Rodeo Drive em Beverly Hills, os varejistas de luxo Gucci, Hermes e Louis Vuitton relataram casos entre os funcionários, de acordo com a lista pública de surtos no local de trabalho do Condado de Los Angeles. O Walmart Inc. (WMT) fechou pelo menos 60 de suas lojas nos EUA para limpezas profundas. As unidades da Apple Inc. (AAPL) foram fechadas temporariamente em dezenas de lugares, do Alabama à Flórida e Nova York.

Nos portos da Costa Oeste, já enfrentando congestionamentos de importações, 160 estivadores tiveram resultado positivo somente na quarta-feira, disse James McKenna, presidente da Associação Marítima do Pacífico, que negocia acordos trabalhistas para 70 empresas em 29 portos na costa.

Centenas de trabalhadores portuários estão permanecendo em casa devido ao rastreamento de contatos ou aguardando testes, disse McKenna. O acúmulo de navios nos portos de Los Angeles e Long Beach, os mais movimentados do país, está crescendo novamente, disse McKenna. “Esta nova variante é tão transmissível que mudou o jogo”, disse ele.

PUBLICIDADE

No setor automotivo, dirigentes sindicais e representantes de empresas disseram que o aumento de faltas por doença não afetou a produção da General Motors Co. (GM), Ford Motor Co (F). e Stellantis NV (STLA), proprietária das marcas Jeep e Ram.

Pode ser apenas uma questão de tempo. Em uma conversa com jornalistas na sexta-feira, Scott Keogh, diretor executivo da unidade da Volkswagen AG (VOW) nos EUA, disse estar “100%” certo de que a indústria estava prestes a enfrentar interrupções de produção devido à ômicron. “Não existe um novo normal flexível” para a montagem de um carro.

Embora economistas e investidores esperem que o impacto seja de curta duração, sua magnitude pode ser considerável. Mark Zandi, economista-chefe da Moody’s Analytics, cortou sua previsão do primeiro trimestre para a produção interna bruta anualizada para perto de 2%, ante cerca de 5%. Mas ele também elevou sua previsão para o segundo trimestre, dizendo que as empresas e a economia estão mais preparadas para enfrentar essa nova onda.

“Não espero que o vírus seja subtraído de forma sustentável do crescimento econômico on-line este ano”, disse Zandi. Embora a ômicron possa, disse ele, afetar a forma como o Federal Reserve vê a recuperação e quando age para aumentar as taxas.

PUBLICIDADE

Restaurantes

A variante é outro golpe para setores como o de hospitalidade, que lutavam para voltar aos níveis de empregos pré-pandêmicos, disse Jerry Nickelsburg, diretor da UCLA Anderson Forecast. Isso, por sua vez, terá um efeito mais longo sobre o crescimento porque “esses setores não vão se recuperar tão rápido quanto pensávamos”.

Marshall Weston, presidente e CEO da Restaurant Association of Maryland, disse que passou a semana recebendo ligações de membros que estavam fechando suas portas para sempre. “A recuperação dos restaurantes parece estar caminhando para trás, em vez de avançar”, disse Weston.

PUBLICIDADE

Na Ledo Pizza na área de D.C., o CEO Beall está determinado a manter viva uma empresa que seu avô fundou em 1955. Ele emprega 1.300 pessoas a menos do que antes da covid-19 e se adaptou usando sistemas online mais automatizados para atender aos pedidos de comida para delivery e simplificou o menu para aliviar o fardo do pessoal da cozinha.

Ele também está lidando com a falta de pessoal em fornecedores, que só piorou com a ômicron. Isso significa obter quantidades menores de ingredientes, como palitos de mussarela, e esperar mais tempo para obtê-los. “Vimos muito em 66 anos”, disse Beall. “Mas isso é definitivamente diferente.”

--Com assistência de Joe Deaux, Leslie Patton, Gabrielle Coppola, Deena Shanker, Carey Goldberg, Justin Bachman, John Tozzi, David Welch, Keith Naughton e Augusta Saraiva.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE