PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Green

NY quer exigir divulgação de impacto social e ambiental do setor de moda

Lei pode se aplicar a empresas como Armani, LVMH e Nike com receita global acima de US$ 100 milhões

Estado quer exigir divulgação de impacto social e ambiental do setor de moda
Por Todd Woody
07 de Janeiro, 2022 | 10:14 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Nova York pode se tornar o primeiro estado dos EUA a exigir que as marcas globais de moda divulguem relatórios sobre impactos sociais e climáticos, além de medidas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. A proposta faz parte de um projeto de lei apresentado na legislatura estadual.

Se aprovada e transformada em lei, o chamado Fashion Sustainability and Social Act se aplicará a empresas como Armani, LVMH, Nike e outras companhias de vestuário com mais de US$ 100 milhões em receitas anuais em todo o mundo que fazem negócios em Nova York. As empresas que não cumprirem a lei podem ser multadas em até 2% do faturamento de US$ 450 milhões ou mais, de acordo com a legislação.

PUBLICIDADE

A indústria da moda é responsável por até 10% das emissões globais de gases de efeito estufa, de acordo com as Nações Unidas.

O projeto foi apresentado em outubro e encaminhado a um comitê legislativo na última quarta-feira. Exige que as empresas de vestuário mapeiem pelo menos 50% de seus fornecedores por volume, identificando os impactos adversos das emissões de gases de efeito estufa e do uso de água e de produtos químicos.

As empresas teriam que definir metas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e o consumo de energia em suas cadeias de abastecimento. Elas também seriam obrigadas a divulgar quanto e que tipo de materiais seus fornecedores produzem anualmente, além do volume de materiais reciclados usados.

PUBLICIDADE

As empresas de moda teriam ainda que relatar os salários pagos por seus fornecedores e como esse pagamento se compara aos salários mínimos locais e pagamentos dignos.

As empresas teriam de publicar as divulgações em seus sites e o procurador-geral do estado teria o trabalho de fazer um relatório anual identificando as empresas que violam a lei. Os cidadãos seriam autorizados a entrar com ações judiciais civis para obrigar o cumprimento da legislação.

Multas cobradas de empresas de vestuário iriam para um novo fundo de benefício comunitário que seria usado para apoiar projetos de justiça ambiental.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE