Escândalo envolvendo príncipe Andrew causa constragimentos para a monarquia britânica
Tempo de leitura: 5 minutos

A monarquia britânica pode ser implacável e decisiva quando pensa que sua sobrevivência está em jogo.

Por muitos anos, o herdeiro do trono, o príncipe Charles, defendeu uma família real enxuta - mantendo os deveres oficiais para um seleto núcleo do clã. Mas ele se viu pressionado por sua mãe, a rainha, que protegia o status de seu irmão mais novo, Andrew, o duque de York. Isso até que o comportamento do duque se tornou um grande problema nas eleições gerais de 2019.

PUBLICIDADE

Em um debate transmitido pela televisão entre o primeiro-ministro Boris Johnson e Jeremy Corbyn, o público aplaudiu enquanto o líder do Partido Trabalhista criticava a família real. Recente na cabeça de todos estava a cobertura da mídia sobre a amizade de Andrew com Jeffrey Epstein, o financista de Nova York que havia cometido suicídio na prisão no início daquele ano após ser acusado de crimes sexuais. A defesa da realeza feita por Johnson foi ouvida em silêncio.

Corbyn foi derrotado nas urnas, mas a rainha agiu rapidamente para proteger a instituição da monarquia. O duque de York é frequentemente referido como “seu filho favorito”, mas ela o afastou de todos os seus deveres públicos oficiais e as janelas de seu escritório particular no Palácio de Buckingham foram fechadas.

PUBLICIDADE

O príncipe Andrew é agora assunto de um processo civil em um tribunal de Nova York, alegando agressão sexual contra uma menor, movido por Virginia Guiffre, hoje com 38 anos. O duque de York nega categoricamente as acusações. Constrangimentos à parte, por que a realeza está tão nervosa com o fato de que uma ovelha negra possa prejudicar a popularidade de todo o rebanho? Afinal, as pesquisas de opinião mostram que os britânicos aprovam sua monarquia por uma ampla margem - os republicanos nem mesmo ousam atacar a mulher de 95 anos, universalmente respeitada que a lidera. Outras tendências também favorecem chefes de estado hereditários.

Um novo e influente livro, Corruptible, do colunista Brian Klaas do Washington Post, argumenta que, na era moderna, um número cada vez menor de pessoas normais são atraídas por cargos de liderança na política. A invasão das mídias sociais e o ciclo de notícias 24 horas exigem sacrifícios pessoais inaceitáveis.

PUBLICIDADE

As sociedades democráticas são, portanto, cada vez mais governadas por “excêntricos” sedentos de poder. Esse desenvolvimento favorece uma família real saudável que fica acima da classe política contaminada e recebe sua reverência cerimonial. Como não fazem promessas, a realeza também não pode perder popularidade quebrando-as - ao contrário de seus primeiros-ministros.

Novas gerações

Essas pesquisas de opinião pública favoráveis, no entanto, têm uma pegadinha. Os britânicos mais jovens, na faixa etária de 18 a 24 anos, têm menos probabilidade de apoiar a retenção da monarquia. O Palácio, sempre alerta ao perigo, sabe que não pode se dar ao luxo de descansar sobre os louros. O príncipe Charles herdará o trono em idade avançada e já espera que uma geração mais jovem compartilhe suas funções.

PUBLICIDADE

Em Katherine, a esposa de seu equilibrado filho mais velho, o príncipe William, a monarquia tem uma estrela em formação. A duquesa de Cambridge não é uma aristocrata, mas uma plebéia que parece uma versão mais bonita do que outras opções. No entanto, The Firm, como a família real se autodenomina, descobriu que não poderia conter os talentos de uma verdadeira superestrela, a cunhada americana de Kate, Meghan, duquesa de Sussex, que se mudou com seu marido, o príncipe Harry para a Califórnia, desgostosa com protocolo real e a hostilidade da imprensa. Na semana passada, Meghan ganhou suas custas judiciais por uma ação de privacidade duramente travada contra um jornal de Londres. Ela recebeu uma indenização irrisória de 1 libra (US$ 1,35) e teve que se desculpar com o juiz pelas discrepâncias em seu depoimento.

A partida de Meghan foi uma perda: ela tinha apelo para a jovem e diversa Grã-Bretanha, mas o glamour comum de Kate a longo prazo servirá melhor aos interesses da família real. O príncipe Andrew não pode se encaixar nesta monarquia mais jovem nem, para a consternação do palácio, ele pode ser removido dos holofotes. As ramificações de sua amizade com Epstein não irão embora.

Hoje em dia, The Firm pode aceitar divórcio, brigas dinásticas e disputas por dinheiro em seu ritmo - essas são histórias familiares a todas as novelas - mas contos do círculo de Epstein de homens ricos e poderosos e mulheres menores de idade estão além da experiência relatável para a maioria dos britânicos. E na era do #MeToo, as ligações do duque de York com Epstein causam apreensão na população jovem que a monarquia está tentando cortejar.

A equipe jurídica do príncipe Andrew - sua mãe está pagando a conta - agora está envolvida em manobras jurídicas cada vez mais desesperadas para encerrar o processo civil de Guiffre. No processo, ela afirma que, quando tinha 17 anos, foi oferecida para serviços sexuais ao duque de York por Epstein e sua ex-namorada e associada Ghislaine Maxwell, recentemente condenada por um júri de Nova York por tráfico sexual (ela está procurando recorrer do julgamento).

As explicações bizarras do príncipe Andrew para os eventos, dadas em uma entrevista desastrosa à BBC, só pioraram as coisas. O duque não se lembra de ter conhecido Guiffre, apesar das evidências de uma fotografia tirada na casa de Maxwell que o mostra com o braço em volta dela (seus amigos dizem que deve ser fake). Ele também afirma que o testemunho de Guiffre sobre sua transpiração deve estar errado porque, ao servir como piloto na campanha de 1982 para retomar as Ilhas Malvinas da Argentina, suas glândulas sudoríparas foram permanentemente danificadas.

O serviço do Príncipe Andrew naquela guerra foi genuinamente heróico: ele voou em seu helicóptero como uma isca para atrair mísseis inimigos para longe dos navios britânicos. Ele também é inocente, a menos que se prove sua culpa. Dito isso, o tribunal de opinião pública do Reino Unido está contra ele e é improvável que mude de ideia. Aumentam as especulações de que a equipe de Andrew será forçada a um acordo com Guiffre - sem admissão de responsabilidade - a fim de poupá-lo da humilhação de um julgamento.

Enquanto isso, o Palácio de Buckingham só pode olhar com perplexidade. Todos os membros da realeza devem viver uma vida menos comum, mas o duque de York está envolvido em um escândalo além da experiência comum.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e seus proprietários.

Martin Ivens foi editor do Sunday Times de 2013 a 2020 e anteriormente foi seu principal comentarista político. Ele é diretor do conselho do Times Newspapers.

Veja mais em bloomberg.com/opinion

Leia também