Tech

AT&T e Verizon rejeitam pedido dos EUA para atraso do novo 5G

Pedido foi feito após aéreas alertarem que novo sistema pode interferir nas aeronaves, representando risco à segurança

Executivos da AT&T e da Verizon disseram na carta que se os interesses da aviação não intensificarem a campanha contra os novos sinais
Por Todd Shields, Scott Moritz e Alan Levin
02 de Janeiro, 2022 | 05:06 pm
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — A AT&T e a Verizon rejeitaram um pedido dos Estados Unidos para atrasar o lançamento desta semana de uma nova variação do serviço móvel 5G que as companhias aéreas disseram que pode interferir na eletrônica das aeronaves, representando um risco à segurança.

Mas os CEOs das duas gigantes das telecomunicações também disseram em uma carta conjunta neste domingo (2) que estariam dispostos a se comprometer com uma pausa de seis meses na implantação perto de certos aeroportos que serão selecionados em negociações com autoridades americanas e da indústria de aviação.

A solicitação dos EUA busca medidas que seriam “prejudiciais aos nossos milhões de consumidores, clientes empresariais e governamentais”, escreveram o CEO da Verizon, Hans Vestberg, e da AT&T, John Stankey, ao secretário de transportes, Pete Buttigieg, e ao administrador da Administração Federal de Aviação (FAA, na sigla em inglês), Steve Dickson.

Em uma carta na sexta-feira, as autoridades americanas pediram aos provedores de serviços sem fio que atrasassem o início planejado para 5 de janeiro do novo serviço. Os oficiais previram uma possível “interrupção generalizada e inaceitável” do tráfego aéreo, à medida que os aviões evitam os aeroportos banhados por sinais 5G que podem afetar os aparelhos eletrônicos usados durante os pousos.

PUBLICIDADE

Veja mais: Caos aéreo - EUA têm mais 2.200 voos cancelados por falta de pessoal e neve

“A estrutura proposta pede que concordemos em transferir a supervisão do investimento multibilionário de nossas empresas em 50 áreas metropolitanas não identificadas, que representam a maior parte da população dos EUA, por um número indeterminado de meses ou anos”, escreveram Vestberg e Stankey . “Pior ainda, a proposta é direcionada a apenas duas empresas.”

Os executivos disseram que concordar com a proposta seria “uma abdicação irresponsável do controle operacional necessário para implantar redes de comunicações de classe mundial e globalmente competitivas”.

Os novos sinais 5G usariam um conjunto de ondas de rádio recém-disponibilizadas para provedores de comunicações móveis. As frequências são próximas às usadas por altímetros de radar com sensor de altitude. Os interesses da aviação disseram que isso cria uma chance de interferência que pode deixar alguns pousos inseguros.

PUBLICIDADE

A indústria sem fio disse que os níveis de potência são baixos o suficiente para impedir a interferência, e a lacuna entre as frequências é suficientemente grande para garantir a segurança.

Anteriormente, a AT&T e a Verizon concordaram em reduzir a potência de seus sinais 5G e colocar em prática um atraso de 30 dias, mudando o início do serviço de dezembro para 5 de janeiro.

Zonas de exclusão

Os executivos da AT&T e da Verizon disseram na carta que se os interesses da aviação não intensificarem a campanha contra os novos sinais, eles se comprometeriam a não instalar torres perto de certos aeroportos por seis meses. A oferta é modelada a partir de zonas de exclusão em aeroportos na França, onde o serviço 5G está funcionando nas frequências em questão e aviões americanos pousaram.

Os executivos disseram que estão “comprometidos em continuar” a cooperação com os interesses de transporte “com a condição de que a FAA e a indústria da aviação se comprometam a fazer o mesmo sem escalar as queixas, infundadas como são, em outros locais”.

O grupo comercial Airlines for America, em uma petição de emergência na semana passada, pediu à Comissão Federal de Comunicações que atrase a implantação planejada do 5G. O grupo comercial CTIA que representa os interesses sem fio disse à organização para rejeitar o pedido.

As autoridades de transporte dos EUA, em sua carta de sexta-feira, solicitaram um atraso de “não mais de duas semanas”. Durante esse tempo, a FAA e a indústria da aviação identificarão os aeroportos onde uma zona-tampão permitiria que os voos continuassem com segurança.

PUBLICIDADE

Pistas críticas

Além do atraso de duas semanas, os funcionários do transporte pediram às empresas que suspendam o novo serviço perto de “aeroportos prioritários”. O serviço poderia ser ativado perto desses aeroportos em uma base contínua até março, eles propuseram.

Dessa forma, a maioria dos clientes 5G poderia usar o novo serviço, mas as pistas críticas seriam protegidas, disseram eles. A FAA disse que está tentando identificar os aeroportos que considera prioritários e buscará identificar atenuações que permitirão que a maioria das aeronaves comerciais de grande porte opere com segurança.

As apostas são altas para ambos os setores. A indústria sem fio pagou US$ 81 bilhões em um leilão pelo acesso às frequências em questão, e a AT&T e a Verizon contarão com eles para atualizações de rede para competir com a T-Mobile no fornecimento da próxima geração de banda larga móvel rápida.

Em uma petição de 30 de dezembro em busca de um atraso, as companhias aéreas disseram que poderiam perder mais de US$ 1 bilhão se não pudessem operar suas aeronaves de maneira adequada devido a problemas de interferência, enquanto interrompiam os planos de milhões de passageiros.

PUBLICIDADE

A FAA não respondeu imediatamente aos pedidos de comentário da Bloomberg sobre a carta.

Leia também

Fusões e aquisições devem continuar expansão frenética em 2022

Investidores ponderam riscos após onda de IPOs em mercados emergentes

Últimas BrasilVerizon Communications
PUBLICIDADE