Negócios

Moderadora de conteúdo traumatizada por vídeos explícitos processa TikTok

Ex-funcionária da plataforma diz que moderadores são diariamente expostos a pornografia infantil, estupros, decapitações e mutilação de animais

TikTok exige que os moderadores trabalhem em um ritmo frenético, assistindo a centenas de vídeos por turno de 12 horas, de acordo com denúncia
Por Robert Burnson
24 de Dezembro, 2021 | 08:28 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Os 10 mil moderadores de conteúdo do TikTok são expostos diariamente a pornografia infantil, estupros, decapitações e mutilação de animais, de acordo com um processo movido contra a plataforma de compartilhamento de vídeo e sua controladora, ByteDance.

E fica pior. A moderadora de conteúdo, Candie Frazier, disse em na proposta de ação coletiva que chegou a ver vídeos envolvendo canibalismo, cabeças esmagadas, tiroteios em escolas, suicídios e até mesmo uma queda fatal de um prédio, completo e com áudio.

E não há como escapar, afirma Frazier. O TikTok exige que os moderadores trabalhem em um ritmo frenético, assistindo a centenas de vídeos por turno de 12 horas, com apenas uma hora de folga para o almoço e dois intervalos de 15 minutos, de acordo com a ação desta quinta-feira (23), movida no tribunal federal de Los Angeles.

“Devido ao grande volume de conteúdo, os moderadores não têm mais do que 25 segundos por vídeo e assistem simultaneamente de três a dez vídeos ao mesmo tempo”, disseram seus advogados.

PUBLICIDADE

O TikTok é membro de um grupo de empresas de mídia social, incluindo o Facebook e o YouTube, que desenvolveram diretrizes para ajudar os moderadores a lidar com as imagens de abuso infantil que seus empregos exigiam que vissem, de acordo com a denúncia.

No entanto, a empresa falhou em implementar as diretrizes, que incluem fornecer suporte psicológico e limitar os turnos a quatro horas, de acordo com o processo.

Frazier, que mora em Las Vegas, disse que sofre de transtorno de estresse pós-traumático como resultado de todos os vídeos perturbadores que teve de assistir.

“A denunciante tem dificuldade para dormir e quando dorme, tem pesadelos horríveis”, de acordo com a denúncia.

PUBLICIDADE

Frazier, que pretende representar outros moderadores de conteúdo do TikTok, está pedindo indenização por danos psicológicos e uma ordem judicial exigindo que a empresa crie um fundo médico para moderadores.

A TikTok não respondeu imediatamente a uma solicitação de comentário da Bloomberg após o horário comercial.

Leia também

PUBLICIDADE