PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Green

Plano de energia sustentável no Chile abala termelétrica

Presidente eleito Gabriel Boric promete acelerar a transição do país para uma rede elétrica mais sustentável

Títulos estão sob pressão diante da queda nos lucros e do rebaixamento da classificação de crédito
Por Scott Squires
23 de Dezembro, 2021 | 06:20 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os títulos emitidos por uma usina termelétrica movida a carvão no Chile podem se tornar a primeira vítima do plano do presidente eleito Gabriel Boric de acelerar a transição para uma rede elétrica mais sustentável.

Após a entrega de algumas das melhores taxas de retorno na América Latina no início deste ano, as notas da Guacolda, totalizando US$ 500 milhões, caíram para 40% do valor de face, chegando às profundezas do território de alto risco.

É um contraste com a visão que começou a ser construída há alguns meses, quando ficou claro que a pior seca em décadas no Chile reduziria a produção hidrelétrica e aumentaria a demanda por fontes mais sujas de eletricidade.

Agora, os títulos estão sob pressão diante da queda nos lucros e do rebaixamento da classificação de crédito, além da espera enquanto Boric elabora a agenda de descarbonização. Os detentores dos títulos querem que os novos donos da companhia tracem uma estratégia para o futuro. Investidores esperam uma reestruturação antes do vencimento da dívida, considerando o caixa escasso e as incertezas quanto às perspectivas de lucro.

PUBLICIDADE
Adeus, carvão: títulos da Guacolda despencaram em 2021 com o foco do Chile em energia renováveldfd

“A Guacolda não forneceu qualquer orientação sobre a quantia que saiu da empresa nem sobre a estratégia de reestruturação dos títulos”, afirmou José Ramon Rio, analista da Fitch Ratings em Santiago.

A Fitch rebaixou a classificação da empresa de B para CCC+ em 16 de dezembro, citando a falta de clareza dos planos dos novos proprietários e a incerteza em torno dos regulamentos ambientais. Ambos os fatores “levantam sérias preocupações em relação à capacidade e disposição do emissor de pagar sua dívida”, escreveu a agência de classificação de crédito.

A AES Gener vendeu sua participação na Guacolda em fevereiro para uma acionista minoritária, a WegE, que então vendeu o ativo em junho para a firma de investimentos Capital Advisors, de Santiago. A Capital Advisors tenta desenvolver uma estrutura financeira ideal para a Guacolda e vem trabalhando em planos de médio e longo prazo para a empresa, de acordo com um porta-voz do fundo.

Um porta-voz de Boric não respondeu às mensagens da reportagem solicitando comentário.

PUBLICIDADE

O carvão está saindo de moda em todo o mundo após líderes mundiais assumirem compromissos em prol do meio ambiente, mas o planeta ainda depende desse combustível. Gargalos nas cadeias de suprimentos ameaçam elevar os custos da energia renovável e o mundo provavelmente gerou mais eletricidade do que nunca a partir do carvão em 2021.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também