PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Colapso mundial da energia provoca falências do Reino Unido à Singapura

Fornecedores de energia estão fechando as portas por conta dos preços elevados, reduzindo a escolha para os consumidores

Mais de 40 fornecedores faliram ao redor do mundo, incluindo a Enstroga, uma empresa com sede no Reino Unido e na Holanda
Por Todd Gillespie, April Roach e Stefan Nicola
23 de Dezembro, 2021 | 11:05 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — Os preços elevados da energia e do gás têm paralisado fornecedores de energia em todo o mundo, fazendo com que alguns funcionem com prejuízo e arrisquem entrar em colapso.

Fornecedores de energia estão fechando as portas no Reino Unido, Holanda, Alemanha, República Tcheca, Bélgica, Finlândia e Singapura. Isso reduz escolha para os consumidores, desencadeando intervenções por parte do governo.

PUBLICIDADE

Tem sido especialmente prejudicial para os fornecedores que vendem energia a preços fixos para resistir à volatilidade. Muitos não conseguiram repassar os aumentos de preços no atacado, pois os reguladores nacionais geralmente têm regimes rígidos que limitam quanto as empresas podem cobrar.

Mais de 40 fornecedores faliram ao redor do mundo, incluindo a Enstroga, uma empresa com sede no Reino Unido e na Holanda. Em setembro, o provedor disse que suspenderia as operações no Reino Unido. Apenas seis semanas depois, disse que “não tinha outra escolha” a não ser encerrar suas atividades na Holanda também.

“Todas as abordagens de liberalização dos reguladores que tentaram abrir o mercado foram inúteis”, disse o presidente-executivo da Enstroga, Jens Müller-Bennerscheidt, em uma entrevista. “No final, os consumidores pagarão preços mais altos do que nunca.”

PUBLICIDADE

Volatilidade dos preços de energia

Os preços do gás e da energia na Europa têm estado extremamente voláteis nos últimos meses, já que o aumento da demanda, baixos estoques, interrupções da geração nuclear e fluxos reduzidos da Rússia reduziram os suprimentos. A energia elétrica do ano seguinte, a referência europeia, aumentou mais de 400% em 2021, enquanto os preços do gás saltaram mais de sete vezes.

Veja mais: Preço de energia na Europa dispara com chegada do inverno

Na Alemanha, os preços recordes aceleraram a “competição acirrada no setor”, disse o advogado de insolvência Justus von Buchwaldt, que supervisiona a administração da Neckermann Strom, fornecedora de energia e gás com cerca de 13 mil clientes, que pediu falência na sexta.

No Reino Unido, 24 fornecedores domésticos entraram em colapso desde o início de agosto, em parte devido às contas da Ofgem, regulador de energia do país. Isso deixou as empresas incapazes de repassar os custos aos consumidores. Pelo menos cinco empresas de energia faliram na Holanda e em Singapura, três na Alemanha, cinco na República Tcheca, uma na Bélgica e uma na Finlândia.

Quando a Bohemia Energy, com sede em Praga, encerrou as negociações em outubro, a empresa tcheca também culpou os bancos. A empresa disse que um grupo de 25 credores negou acesso a um empréstimo de 2 bilhões de coroas (US$ 90 milhões) que já havia sido aprovado, disse o proprietário Jiri Pisarik à mídia local. “Se continuarmos a fornecer energia, geraremos enormes perdas diariamente”, disse ele. A CED, outro fornecedor tcheco, disse na quinta-feira que deixaria de fornecer energia esta semana.

Os colapsos estão aumentando a carga financeira de governos e contribuintes, à medida que as regras do mercado forçam uma redistribuição de custos e os estados devem intervir para subsidiar as contas. A maior vítima do Reino Unido, a Bulb Energy, foi nacionalizada pela administração Johnson a um custo de cerca de 1,7 bilhão de libras (US$ 2,2 bilhões), uma quantia que deve ser recuperada por meio de acréscimos nas contas domésticas.

PUBLICIDADE

Setores estagnados

A crise de energia também pode prejudicar a tão necessária inovação no setor.

Em Singapura, cerca de 140 mil famílias e 11 mil empresas foram afetadas por cinco das maiores falências de varejistas. Isso representa 9% da demanda total, disse Tan See Leng, segundo ministro do Comércio e da Indústria, em um discurso no Parlamento em novembro. Isso complicou a tentativa do país de liberalizar seu setor de energia, aumentando a concorrência, e incentivou o regulador a reconsiderar as reformas de mercado planejadas.

Veja mais: Leilão de energia focado em termelétricas movimenta R$ 57,3 bilhões

PUBLICIDADE

Os fornecedores restantes do Reino Unido estão em grande parte perdidos. Eles esperam que o regulador Ofgem eleve o teto de preços do país em abril para permitir que operem de forma lucrativa e concorram em preços. Mas isso pressupõe que os custos de atacado cairão significativamente até lá.

“Os preços no mercado atacadista estão extremamente altos e é improvável que caiam o suficiente quando o preço máximo subir para tornar as coisas lucrativas novamente”, disse Tony Jordan, um consultor do setor de energia que aconselhou empresas que faliram. “O mercado de fornecedores ficará estagnado porque os clientes não terão muita escolha para mudar de fornecedor.”

--Com colaboração de Stephen Stapczynski, Ann Koh, Cagan Koc, Lyubov Pronina, Lenka Ponikelska e Peter Laca

Leia também

PUBLICIDADE