PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Alemanha impõe medidas mais rígidas contra ômicron

Medidas mais recentes incluem um limite de reuniões para 10 pessoas a partir de 28 de dezembro

Ministro da Saúde alemão levantou na semana passada a possibilidade de uma “quinta onda massiva” de infecções varrendo o país
Por Patrick Donahue
21 de Dezembro, 2021 | 12:20 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O chanceler alemão Olaf Scholz deve impor restrições de contato mais rígidas na Alemanha, já que a variante ômicron da Covid-19 ameaça a maior economia da Europa no momento em que as famílias se reúnem para as férias de Natal.

PUBLICIDADE

As medidas mais recentes, que vêm além das restrições existentes que afetam principalmente os não vacinados, incluem um limite de reuniões para 10 pessoas a partir de 28 de dezembro. As restrições, que Scholz deve concordar com os líderes regionais nesta terça-feira (21), também se aplicam aos cidadãos que estão inoculados ou se recuperaram do vírus, conforme minuta de acordo preparada pela chancelaria.

Autoridades, incluindo o ministro da Saúde, Karl Lauterbach, aumentaram as advertências sobre a cepa ômicron de disseminação mais rápida, e Lauterbach levantou na semana passada a possibilidade de uma “quinta onda massiva” de infecções varrendo o país.

PUBLICIDADE

Veja mais: Covid: Ômicron ameaça fechar escolas em janeiro na Europa

O instituto de saúde pública RKI esta semana elevou seu nível de ameaça Covid-19 para “muito alto” e nesta terça-feira (21) atualizou suas diretrizes pedindo aos alemães que adotem “restrições máximas de contato” imediatamente.

Mesmo com as infecções diárias diminuindo, as autoridades estão preocupadas com a disseminação explosiva da ômicron em países como o Reino Unido e Dinamarca, com um surto semelhante considerado iminente na Alemanha.

As novas medidas, no entanto, ficam bem aquém do tipo de bloqueio que manteve os alemães dentro de casa durante as férias do ano passado e foram impostas em países como a vizinha Holanda.

Medidas de estratégia da Alemanha

  • Limite de reuniões privadas de 10 pessoas a partir de 28 de dezembro
  • Boates e discotecas fechadas
  • Limites de participantes em eventos esportivos e culturais
  • Ajuda governamental para cultura e esporte a ser estendida
  • Alertas sobre responsabilidade em celebrações de Natal
  • Teste recomendado para todos os encontros durante o período festivo

O foco deve permanecer no esforço do país para distribuir doses de reforço das vacinas contra Covid acompanhadas por restrições contratuais mais amplas, de acordo com o ministro da Justiça, Marco Buschmann.

PUBLICIDADE

“A situação continua séria, não quero fingir o contrário”, disse Buschmann à rádio Deutschlandfunk hoje (21). “Nunca é recomendável descartar nada completamente em uma situação dinâmica, mas no momento queremos nos concentrar na campanha de reforço e trabalhar com restrições de contato.

A Alemanha está registrando mais de um milhão de vacinações por dia durante a semana, embora a maioria sejam doses de reforço, agora cobrindo quase um terço da população.

Veja mais: Terceira dose da Moderna aumenta anticorpos contra ômicron

Proibição de fogos de artifício

O comitê consultivo do país sobre vacinas emitiu uma recomendação de que as pessoas tomem doses de reforço após três meses, em vez dos seis meses recomendados anteriormente.

Um número relativamente baixo de 70,4% dos alemães está totalmente vacinado, deixando cerca de 13 milhões de pessoas acima de 18 anos vulneráveis ao vírus.

As medidas em pauta na terça-feira também incluem o fechamento de boates para limitar a interação social durante o período de festas de fim de ano, de acordo com as minutas.

PUBLICIDADE

A ministra do Interior alemã, Nancy Faeser, adotou uma medida das festividades do ano passado e proibiu a venda de fogos de artifício durante o ano novo em uma tentativa de aliviar a carga sobre a equipe médica de emergência.

Veja mais em Bloomberg.com