Brasil

Chuvas afetam infraestrutura e causam prejuízo ao turismo no sul da Bahia

Alagamentos e estradas bloqueadas impediram que visitantes conseguissem chegar a destinos procurados nesta época do ano como Trancoso, Curuípe e Caraíva

Alagamento na BA-283, uma das principais estradas que levam às praias do sul da Bahia
18 de Dezembro, 2021 | 11:16 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — As chuvas que atingiram o sul da Bahia na primeira metade de dezembro atrasaram a chegada dos turistas na região. Hotéis, pousadas e o mercado de aluguel de carros e casas por temporada já começam a sentir os primeiros efeitos.

Praias de Trancoso, Caraíva e Curuípe, que deveriam ter começado a registrar um volume maior de visitantes, ainda esperam que o nível das águas em alguns pontos diminua um pouco mais para permitir o acesso dos veículos.

Dados da Defesa Civil da Bahia indicam que as chuvas tenham atingido mais de 220 mil pessoas na parte sul do Estado. Os alagamentos que afetaram principalmente os municípios de Eunápolis, Guaratinga, Itabela, Itanhém, Mucuri, Porto Seguro, Santa Cruz Cabrália, Teixeira de Freitas e Vereda, além de Jucuruçú, Medeiros Neto, Prado, Itamaraju foram considerados os piores nos últimos 30 anos. Os temporais na última semana fizeram rios transbordar, destruíram estradas e pontes e inundou casas.

Veja mais: Por que o Nubank, ainda no vermelho, vale mais do que os bancos que dão lucro

PUBLICIDADE

No aeroporto de Porto Seguro, porta de entrada da região, o volume de aluguel de carros diminuiu significativamente para a época do ano. Todas as empresas que atuam no local registraram ainda um grande número de cancelamento de reservas devido às condições. Hotéis, pousadas e o aluguel de casas para temporadas sofreram os mesmos efeitos.

“Só nessa semana perdi R$ 8 mil em comissões que não vou receber por conta de pessoas que cancelaram as casas que haviam alugado”, conta um agente que atua na região da Praia do Espelho.

Rio dos Frades transbordou e impede ligação entre Trancoso com parte das praias da regiãodfd

Para chegar na Praia do Espelho, por exemplo, o turista precisa deixar o aeroporto e seguir pela BA-986, acessar a BA-001, passar o trevo que leva até Trancoso e seguir pela BA-283 até Curuípe. Por essa mesma estrada também se chega a Caraíva, outra praia muito procurada por turistas do Sul e Sudeste.

O ponto mais crítico está exatamente nesse último trecho, na BA-283. As chuvas da semana passada aumentaram a vazão do rio dos Frades de uma forma há muito tempo não vista. O volume das águas alagou o chamado Vale dos Búfalos e invadiu a estrada, impedindo o trânsito de veículos e isolando a região.

PUBLICIDADE

Veja mais: TikTok está entrando no ramo de restaurantes

Mas, onde alguns choram, outros vendem lenços. Dois novos negócios ganharam força nos últimos dias. Com a água dois metros acima do nível da rodovia, o transporte de barco tornou-se a forma mais barata de fazer a travessia de Curuípe para Trancoso.

Por R$ 20 por pessoa é possível cruzar o trecho de aproximadamente um quilômetro em um pequeno barco com motor até as 18h. Após esse horário, é preciso encontrar alguém que se disponha a cruzar o vale e desembolsar R$ 100 por pessoa.

Veja mais: Clube de automóveis de Paris, de 126 anos, ainda barra mulheres

Para os mais abastados, o traslado de helicóptero tem sido a opção mais rápida. Partindo do aeroporto de Porto Seguro é possível chegar ao aeroporto da Praia do Espelho, que possui pista de terra e pouca infraestrutura, mas suficiente para quem está disposto a desembolsar R$ 2.800 por trecho.

Na aeronave, apenas três pessoas, levando somente bagagem de mão. Malas maiores, geralmente, seguem de carro com algum representante dos condomínios, hotéis e pousadas e fazem a travessia de barco.

PUBLICIDADE

Leia também:

Como uma startup pretende ampliar oferta de importados em marketplaces do Brasil

Brasília em Off: O maior temor de Bolsonaro na corrida eleitoral

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.

PUBLICIDADE