PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Suprema Corte mantém em vigor proibição do aborto no Texas

Tribunal permitiu que a lei entrasse em vigor com uma votação de 5 a 4 no dia 1º de setembro

Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — Uma dividida Suprema Corte dos Estados Unidos deixou em vigor a proibição do aborto no Texas após cerca de seis semanas de gestação, recusando-se pela segunda vez a bloquear a lei.

A decisão desta sexta-feira (10) estende a luta legal, devolvendo o processo do provedor a um juiz federal que já bloqueou a lei uma vez. Se ele fizer isso novamente, o Texas pode recorrer a um tribunal federal de apelações, que tem apoiado repetidamente o estado, e o caso pode acabar de volta na Suprema Corte.

PUBLICIDADE

Escrevendo para o tribunal, o juiz Neil Gorsuch disse que os fornecedores poderiam levar adiante as ações contra um punhado de funcionários estaduais, mas não contra outros nomeados no processo, incluindo o procurador-geral e os funcionários e juízes dos tribunais estaduais. Ele escreveu que os argumentos dos provedores no tribunal de primeira instância “enfrentam sérios desafios, mas também apresentam algumas oportunidades”.

Os juízes Samuel Alito, Brett Kavanaugh e Amy Coney Barrett juntaram a totalidade da opinião de Gorsuch.

A lei, conhecida como SB 8, é de longe a mais rígida em vigor no país, proibindo o procedimento em um período muito mais precoce da gravidez. O tribunal permitiu que a lei entrasse em vigor com uma votação de 5 a 4 no dia 1º de setembro. Em uma dissidência parcial, os três juízes liberais criticaram o tribunal.

PUBLICIDADE

“Esta Loucura”

“O tribunal deveria ter acabado com essa loucura meses atrás, antes que o SB 8 entrasse em vigor”, escreveu a ministra Sonia Sotomayor para o grupo. “Não foi isso que aconteceu, e hoje falha novamente”.

A decisão vem nove dias depois que argumentos em um caso no estado do Mississippi indicaram que os juízes estão seriamente considerando derrubar a lei Roe v. Wade, decisão de 1973 que legalizou o aborto em todo o país. Esse caso centra-se na proibição do aborto no Mississippi após 15 semanas de gravidez.

PUBLICIDADE

De acordo com um precedente da Suprema Corte de 1992, os estados não podem impor restrições significativas ao aborto até que o feto se torne viável, ou seja capaz de viver fora do útero, um ponto em algum momento após a 20ª semana de gravidez. A opinião de Gorsuch não mencionou Roe ou o caso do Mississippi.

O conflito no Texas se concentrou no novo mecanismo de aplicação da lei, que permite ações judiciais apenas por partes privadas - e não por funcionários do governo - contra qualquer pessoa que ajude a facilitar o aborto. O Texas incluiu a disposição para tentar isolar a proibição de ser revista e bloqueada por tribunais federais.

O presidente do tribunal, John Roberts, juntou-se aos liberais ao dizer que o tribunal deveria ter permitido mais caminhos para bloquear a lei. Roberts disse que o Texas “empregou uma série de estratagemas projetados para proteger sua lei inconstitucional de revisão judicial”, incluindo disposições que permitem que os provedores sejam processados em qualquer um dos 254 condados do Texas, exigindo danos de pelo menos US$ 10.000 por procedimento e impondo responsabilidade retroativa caso o a Suprema Corte permita leis de aborto mais rígidas.

PUBLICIDADE

“Essas disposições, entre outras, efetivamente esfriam a oferta de abortos no Texas”, escreveu Roberts. “Dado o efeito paralisante em curso da lei estadual, o tribunal distrital deve resolver este litígio e entrar com o alívio apropriado sem demora.”

O juiz Clarence Thomas foi o único a dizer que teria rejeitado a contestação dos provedores de aborto à lei. A Suprema Corte, sem explicação, também rejeitou a tentativa do Departamento de Justiça de bloquear a lei. O tribunal ouviu os argumentos nesse caso juntamente com o caso do provedor em 1º de novembro.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE