Internacional

Número de vistos de trabalho nos EUA tem a maior queda em dez anos

Recuo foi em grande parte devido a uma desaceleração significativa no processamento de vistos durante o lockdown e políticas de imigração mais rígidas

Indústria de tecnologia, em particular, depende do programa para diminuir a escassez de trabalhadores
Por Linly Lin
01 de Dezembro, 2021 | 12:04 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O número de imigrantes sob o programa de visto H1-B com empregos de alta tecnologia teve a maior queda nos últimos dez anos nos Estados Unidos, em meio a restrições de viagens e vistos, mesmo com as vagas de emprego no setor atingindo níveis recordes.

O número de trabalhadores estrangeiros de engenharia e matemática com vistos H-1B caiu 12,6% no ano fiscal encerrado em setembro de 2021 em comparação com o ano anterior, segundo uma análise da Bloomberg News de dados do Departamento do Trabalho dos EUA.

Foi a segunda queda anual consecutiva para um segmento da força de trabalho que historicamente apresenta crescimento consistente.

A queda foi em grande parte devido a uma desaceleração significativa no processamento de vistos durante lockdown e políticas de imigração mais rígidas decorrentes da pandemia, de acordo com advogados e especialistas em imigração.

PUBLICIDADE

Em comparação com os níveis anteriores à Covid em 2019, o número de empregos sob o H-1B neste ano caiu 19% para a categoria de engenharia e matemática.

Desde março de 2020, o processamento de qualquer novo visto foi drasticamente atrasado e quase interrompido por restrições de viagens”, disse Giovanni Peri, professor de economia da Universidade da Califórnia, Davis. Alguns empregos em ciência, tecnologia, engenharia e matemática - ou STEM, na sigla em inglês - podem ser perdidos definitivamente na crise de vistos, pois o trabalho remoto pode deixá-los fora dos EUA, de acordo com Peri.

Muitos escritórios de processamento de vistos dos EUA retomaram suas atividades em um ritmo lento após uma suspensão abrupta em todas as embaixadas e consulados, em 2020. No início deste ano, o presidente Joe Biden permitiu que expirasse uma proibição da era Trump aos vistos H-1B.

O programa de visto H-1B permite que os empregadores dos EUA contratem trabalhadores estrangeiros altamente qualificados para empregos em áreas especializadas, como codificação e engenharia. A indústria de tecnologia, em particular, depende do programa para diminuir a escassez de trabalhadores. Vagas na área de engenharia e matemática constituem a grande maioria dos vistos H-1B emitidos.

PUBLICIDADE

O programa é limitado a 85.000 novos vistos anualmente, mas os trabalhadores estrangeiros que recebem vistos H-1B podem transferir funções dentro da mesma área, mudar de empresa ou receber prorrogação de seus vistos. Essas certificações adicionais - além das novas contratações - constituem uma medida mais ampla da atividade de trabalho dentro do programa.

Essa métrica combinada para todas as categorias de empregos totalizou mais de 497.000 durante o ano fiscal de 2021, uma redução de 9% em relação a 2020 e de 17% em relação a 2019. A Bloomberg News analisou dados a partir de 2011.

A contração na contratação de trabalhadores estrangeiros de STEM para H-1B indica que o campo da tecnologia não estava imune às interrupções causadas pela Covid-19, embora tenha sido atingida em menor grau em comparação com outros setores, disse o advogado de imigração Nandini Nair, sócio da Greenspoon Marder.

Os empregos STEM tiveram demissões recordes em março e abril do ano passado. Mas o setor se recuperou rapidamente e experimentou menos desemprego durante a pandemia do que outros setores. Houve um recorde de 230.000 vagas de emprego no setor de informação em setembro, segundo o Bureau of Labor Statistics dos EUA.

“O que estamos vendo agora é uma retomada das contratações de modo geral, sejam para essas modalidades ou outras. Espero que haja um aumento à medida que saimos da pandemia”, disse Shannon Donnelly, sócia da Morgan Lewis.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

10 cidades mais caras do mundo para se morar agora

Aumentam os investidores em startups cripto - mas não na China

PUBLICIDADE