Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg Opinion — Há muito a ser aprendido sobre a variante do coronavírus ômicron, mas os cientistas já sabem o suficiente para prescrever uma resposta racional à ameaça. Enquanto o mundo espera por dados, há muito conhecimento útil que vem da biologia evolutiva.

Faz sentido reformular as fórmulas de vacinas e atualizar as restrições de viagens para desacelerar e pegar infecções por ômicron, mesmo compreendendo que a nova variante pode desaparecer. Deixar de se preparar para o pior cenário seria um erro potencialmente desastroso.

O pior caso exigiria a coincidência de três avanços evolutivos simultâneos.

  • 1. A variante teria que ser transmissível o suficiente para derrotar a cepa delta agora dominante e, assim, se espalhar por toda a população humana.
  • 2. Teria que ser virulento o suficiente para sobrecarregar hospitais e provocar bloqueios e restrições prejudiciais.
  • 3. E teria que ser novo o suficiente para infectar e adoecer o número crescente de pessoas que são imunes às versões anteriores do SARS-CoV-2 em virtude de vacinas ou doenças anteriores.

Essa combinação de surpresas evolutivas é possível, mas não tão provável. Os cientistas ficaram tão surpresos com o número de mutações no ômicron que o chamaram de “insano”, mas ainda não sabem o que isso significa.

Alguns pesquisadores estão lutando para testar o quão bem sucedido o ômicron pode resistir aos anticorpos que são produzidos pelas vacinas existentes, e dados preliminares mostram que ele pode contornar esses anticorpos mais prontamente do que as variantes existentes. Mas os anticorpos fornecem apenas parte da proteção gerada pelo sistema imunológico, então sua vulnerabilidade potencial é apenas parte da história.

PUBLICIDADE

Em uma nota mais otimista, a presidente da Associação Médica Sul-Africana, Angelique Coetzee, observou que as infecções em muitos de seus pacientes eram leves - uma indicação de que o ômicron provavelmente não é muito mais virulento do que as cepas existentes. Mas como os casos leves também são comuns com delta, levará algumas semanas para ver como eles se comparam.

Nesse ínterim, uma compreensão da evolução também pode informar previsões e tomadas de decisão - separando o que é provável do que é possível e daquilo que é extremamente improvável.

Existem duas partes importantes da evolução.

O primeiro é a geração de nova diversidade por meio de mutações e outras mudanças genéticas. Em 2020, os cientistas pensavam que o SARS-CoV-2 faria isso mais lentamente do que os vírus da gripe, mas como o novo vírus se espalhou para tantas pessoas em tão pouco tempo, ele está tendo milhões de chances de encontrar novas combinações de genes. O SARS-CoV-2 pode gerar novas variantes por mutações e também por um processo denominado recombinação, pelo qual as partículas virais trocam material genético.

PUBLICIDADE

O outro componente da evolução é a seleção natural; sobrevivência do mais apto em resposta ao que os cientistas chamam de pressão evolucionária.

A pressão evolucionária favoreceria novas variantes que se espalham mais rápido do que as versões existentes. É por isso que o delta assumiu, e agora é responsável por mais de 99% dos casos nos EUA.

Mais transmissível

O vírus pode se tornar mais transmissível de várias maneiras. Ele pode se multiplicar melhor em partes do trato respiratório humano, onde é facilmente aerossolizado. Ele pode encontrar maneiras melhores de sobreviver no ar e pode melhorar sua capacidade de invadir as células de um novo hospedeiro. Mas o delta já é bom em tudo isso - então, uma nova variante de sucesso terá que vencer a concorrência acirrada.

A imunidade cria uma nova pressão evolutiva, conferindo uma vantagem maior aos recém-chegados que podem escapar dos anticorpos da vacinação ou infecção anterior. Jesse Bloom, pesquisador do Centro de Pesquisa do Câncer Fred Hutchinson, já começou a estudar o ômicron e me disse por e-mail que seu palpite é que as vacinas permanecerão pelo menos um pouco eficazes na prevenção de doenças graves e morte.

Então, há um grande curinga: se a nova variante causará doenças mais graves ou menos graves. Não há pressão evolutiva para tornar o vírus mais mortal, então novas variantes podem ser mais ou menos mortais por acaso. (Existe até um cenário de melhor caso, em que uma nova variante passa a dominar e se mostra relativamente inofensiva, transformando a pandemia em algo como uma gripe ou resfriado comum.)

PUBLICIDADE

Dado o que se sabe, então, renovar as vacinas existentes faz sentido, porque é improvável que causem efeitos colaterais diferentes ou piores. A Moderna já anunciou que vai começar a trabalhar na fabricação de um novo booster ajustado para omicron. E a BioNTech, parceira da Pfizer, prometeu começar a se preparar para fazer o mesmo.

Dado o que se sabe, então, renovar as vacinas existentes faz sentido, porque é improvável que causem efeitos colaterais diferentes ou piores. A Moderna já anunciou que vai começar a trabalhar na fabricação de um novo booster ajustado para omicron. E a BioNTech, parceira da Pfizer, prometeu começar a se preparar para fazer o mesmo.

Isso aconteceu uma vez antes. Na semana passada, eu aprendi com o pesquisador de vacinas da Universidade de Harvard, Dan Barouch, que uma variante anterior chamada beta representava uma ameaça potencial o suficiente para levar as empresas farmacêuticas a criar uma nova versão beta de suas vacinas. As vacinas alteradas nunca foram implantadas porque o beta se extinguiu. Não poderia competir com o delta ultratransmissível. Isso pode acontecer novamente, mas apressar-se para atualizar as vacinas é um risco que vale a pena correr.

Restrições de viagens

As restrições de viagens também fazem sentido, apesar das objeções de que punem injustamente países como a África do Sul por fazer um bom trabalho de vigilância e alertar o resto do mundo.

Uma vez que a nova variante já apareceu em muitos outros países, uma abordagem melhor para os EUA seria mudar a política de viagens em toda a linha - mudando o foco da dependência apenas de passaportes de vacina e exigindo que todos que entrassem no país passassem por testes completos de ômicron e um período de quarentena apropriado. A variante ômicron provavelmente já está nos EUA, mas será mais fácil de entender e combater se não estiver continuamente fluindo por meio de viagens sem restrições.

PUBLICIDADE

Quanto às perspectivas de longo prazo, Bloom disse que em algum momento o vírus deve atingir um patamar em sua capacidade de se espalhar entre as pessoas. Antes da pandemia, ele estudou a evolução da gripe e, de fato, os vírus da gripe continuam trocando informações genéticas para que possam escapar da imunidade. Mas eles não se tornam muito mais transmissíveis ou mortais ano após ano. Portanto, há esperança de que a ciência e as boas políticas possam se manter um passo à frente do vírus que causa a Covid-19.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Ômicron eleva casos na África do Sul, mas com sintomas leves

Ômicron traz novo desafio para bancos centrais de emergentes

Covid continuará gerando variantes até que o mundo todo esteja imune