PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

Airbus precisa entregar 100 jatos para atingir meta de 2021

Francesa tem cinco semanas para superar número; em dezembro de 2020, foram 89 entregas

Companhias aéreas podem acabar revisando sua necessidade de curto prazo
Por Charlotte Ryan
29 de Novembro, 2021 | 01:45 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A Airbus precisa acelerar as entregas de jatos em dezembro se quiser atingir a meta de 600 aviões este ano, segundo fontes com conhecimento da situação.

A empresa europeia atingiu 500 aeronaves entregues em 2021 na sexta-feira (26), segundo as fontes, que pediram para não ser identificadas até que os números oficiais sejam divulgados. Isso deixa a Airbus cerca de 100 abaixo de sua meta, com apenas cinco semanas restantes no ano.

Um porta-voz da Airbus não quis comentar.

Embora a pressão de fim de ano seja normal para as operações da Airbus, os problemas da cadeia de suprimentos dos fabricantes de peças com dificuldades para elevar as remessas depois dos lockdowns restringiram a produção este ano. Também existe o risco de que a disseminação da variante ômicron do vírus possa levar as companhias aéreas a revisar os requisitos de curto prazo de suas frotas.

PUBLICIDADE

As entregas da francesa Airbus em Toulouse caíram para 36 em outubro e ficaram em 40 nos dois meses anteriores. O total da sexta-feira sugere que é possível haver um aumento tímido nos níveis em novembro.

A Airbus entregou 89 aviões em dezembro de 2020 – momento em que o setor cambaleava com a propagação da pandemia. Nos dois anos anteriores, a contagem do mês foi consideravelmente mais alta – mais de 125 aviões.

A Airbus está preparando sua cadeia de suprimentos a construção de até 75 aeronaves por mês para sua série A320 de corredor único – a mais vendida – até 2025, enquanto busca ampliar sua liderança em entregas sobre a rival americana Boeing.

--Com assistência de Siddharth Philip.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Covid: qual país foi mais resiliente ao vírus?

Produção da Toyota freia 26% com crise de abastecimento prolongada

Jack Dorsey, CEO do Twitter, deve deixar cargo, diz CNBC