promo
Internacional

China: Movimentos dos EUA em lista de sanções violam acordo

Departamento de Comércio americano adicionou cerca de uma dúzia de empresas chinesas à lista ontem (24) por se envolverem em atividades contrárias à segurança nacional

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A China criticou a decisão dos Estados Unidos de adicionar dezenas de suas empresas a uma lista de negócios proibidos, dizendo que a medida violou um entendimento entre líderes das duas maiores economias do mundo.

“O Ministério do Comércio dos EUA publicando uma nova lista de sanções não está de acordo com o consenso acordado pelos líderes chineses e norte-americanos”, disse a porta-voz do Ministério do Comércio chinês, Shu Jueteng, em uma entrevista coletiva em Pequim nesta quinta-feira (25).

“É prejudicial para ambos os países, a segurança da cadeia de abastecimento global e a recuperação econômica global”, acrescentou.

O Departamento de Comércio dos Estados Unidos adicionou cerca de uma dúzia de empresas chinesas à Lista de Entidades na quarta-feira (24) por se envolverem em atividades contrárias à segurança nacional ou aos interesses da política externa. Os fornecedores não poderão negociar com as empresas da lista, a menos que tenham recebido uma licença especial para isso.

O presidente Joe Biden e o líder chinês Xi Jinping participaram de sua primeira reunião presencial na semana passada, com ambos os lados enfatizando a necessidade de mais negociações entre seus governos. Embora eles não tenham divulgado um comunicado conjunto, a cúpula pareceu ajudar a estabilizar uma relação marcada por tensões sobre Taiwan, Xinjiang e ações punitivas contra empresas como as anunciadas na quarta-feira.

Três afiliadas da Corad Technology Limited, uma entidade chinesa adicionada à Lista de Entidades em 2019, foram incluídas nas vendas de tecnologia ocidental para empresas de fachada norte-coreanas e subordinados do governo chinês e organizações da indústria de defesa, disse o Departamento de Comércio dos EUA em um comunicado.

O envolvimento em aplicações militares chinesas de computação quântica foi citado como uma razão para ser adicionado à lista, enquanto outras entidades chinesas e paquistanesas foram adicionadas para ajudar nas atividades nucleares e de mísseis balísticos deste último.

No total, 27 grupos e indivíduos estrangeiros foram adicionados à lista de países como Japão e Cingapura. A secretária de Comércio, Gina Raimondo, disse que a lista evitaria que tecnologias dos EUA fossem desviadas para o avanço militar da China e da Rússia e atividades nucleares ou programa de mísseis balísticos do Paquistão.

Shu disse que os EUA “generalizaram” o conceito de segurança nacional e aplicaram sanções “arbitrariamente” sem evidências. “A China protesta veementemente e fará representações solenes aos EUA”, acrescentou ela.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse que Pequim se reservou o direito de “tomar as contramedidas necessárias” contra os EUA, enquanto apelava ao governo Biden para “corrigir o erro imediatamente”.

“Os EUA repetidamente exageraram no conceito de segurança nacional e abusaram do poder do Estado para oprimir as empresas chinesas”, disse Zhao.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também: ‘Gêmeo digital’: a visão do governo Bolsonaro sobre o futuro da identidade