PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

Amazon traz disputa com Visa para mercado de varejo dos EUA

Varejista estuda migrar seu popular cartão de crédito de marca compartilhada para a Mastercard em meio a tensões com a Visa

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A Amazon.com estuda migrar seu popular cartão de crédito de marca compartilhada para a Mastercard em meio a tensões com a Visa, uma disputa que já levou a varejista a banir os cartões da gigante de pagamentos a partir do ano que vem no Reino Unido.

O cartão Amazon é um dos maiores portfólios de marca compartilhada do setor, e a empresa aproveita as negociações como forma de garantir melhores condições ao renovar o acordo com a Visa, segundo pessoas a par do assunto.

PUBLICIDADE

Uma mudança representaria outra investida da Amazon, que também começou a impor pequenas taxas para transações com a Visa em Singapura e na Austrália, e anunciou um acordo na semana passada com a Venmo, o que daria a consumidores americanos a opção de não usar o cartão Visa a partir de 2022.

Após a proibição no Reino Unido, um porta-voz da Visa disse que a empresa está “muito desapontada com o fato de a Amazon estar ameaçando restringir a escolha de consumidores no futuro. Quando a escolha do consumidor é limitada, ninguém ganha”. A Visa não quis comentar sobre as negociações nos EUA.

No centro da disputa: a Amazon quer pagar menos para aceitar cartões Visa.

PUBLICIDADE

“Acreditamos que o custo de aceitar pagamentos com cartão de crédito deve diminuir com o tempo para permitir que comerciantes reinvistam as economias em preços baixos e melhorias nas compras para clientes”, disse a Amazon em comunicado por e-mail. “No entanto, apesar dos avanços técnicos, o custo de pagamento de alguns cartões continua alto ou até mesmo aumenta.”

Veja mais: Berkshire reduz apostas em Visa e Mastercard

Analistas liderados por Sanjay Sakhrani, da Keefe Bruyette & Woods, disseram que a disputa provavelmente será resolvida com “impacto financeiro mínimo” para a Visa, mas, “claramente, não é algo positivo que a Amazon esteja tentando mudar o comportamento dos consumidores, validando assim temores de investidores relacionados ao sistema bancário aberto e outras formas alternativas de pagamento emergentes”.

PUBLICIDADE

A Mastercard trabalha com a Amazon há anos e continuará a desenvolver a relação, disse Michael Froman, vice-presidente do conselho e presidente de crescimento estratégico, em entrevista à margem do Bloomberg New Economy Forum, em Singapura. Ele não quis comentar as perspectivas de um cartão de crédito de marca compartilhada.

“Temos uma relação boa e duradoura com a Amazon”, disse Froman. “Não tenho nada a comentar sobre as conversas específicas atuais.”

Varejistas sempre se queixaram das taxas que precisam pagar cada vez que um consumidor usa cartões. Embora o valor possa corresponder a apenas alguns centavos por compra, comerciantes gastaram US$ 110 bilhões em taxas de processamento de cartões só no ano passado.

PUBLICIDADE

Com seu domínio no comércio eletrônico, a Amazon paga bilhões em tais taxas a cada ano e representa “uma porcentagem baixa de um dígito de todas as receitas da Visa com cartões de crédito domésticos”, de acordo com nota do Credit Suisse.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Correlação entre Bitcoin e ações tech desaparece após pandemia

PUBLICIDADE