Internacional

Erdogan defende queda de juros para conter inflação; lira turca despenca

Presidente da Turquia voltou a pressionar banco central do país às vésperas da decisão de política monetária

“Vamos aliviar o fardo das taxas de juros dos cidadãos”
Por Firat Kozok e Cagan Koc
17 de Novembro, 2021 | 08:45 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O presidente turco Recep Tayyip Erdogan prometeu continuar lutando por taxas de juros mais baixas, enviando um sinal claro aos investidores um dia antes de o banco central definir os próximos passos da política monetária.

“Não posso estar do mesmo lado daqueles que defendem os juros”, disse Erdogan em discurso no parlamento em Ancara. “Vamos aliviar o fardo das taxas de juros dos cidadãos”, disse ele, repetindo seu mantra pouco ortodoxo de que as taxas de juros são a causa da inflação, e não um freio aos ganhos de preços.

Em meio a alegações de intensa pressão política sobre o banco central para reduzir as taxas, Erdogan disse na quarta-feira (17) a repórteres que a autoridade decidiria sua política de forma independente.

  • A lira turca estendeu a queda após o discurso, enfraquecendo até 2,4%, para uma baixa recorde de 10,5619 por dólar.

Veja mais: Renda fixa aprofunda juro real negativo e embaralha visão do mercado

PUBLICIDADE

Pressionada pelas demandas de Erdogan por custos de empréstimos mais baixos, a autoridade monetária cortou a taxa básica em 300 pontos base para 16% em dois movimentos consecutivos e inesperados desdeta setembro. Espera-se que seja reduzido em mais 100 pontos-base, para 15% na quinta-feira (18), de acordo com a estimativa média em uma pesquisa da Bloomberg com 21 analistas.

O presidente atacou os críticos que exigiam taxas de juros mais altas para conter a inflação de quase 20%, citando os ensinamentos do Alcorão sobre o assunto. “Vou continuar lutando contra os juros enquanto eu continuar servindo.”

Há muito um defensor de que as taxas de juros elevadas causam inflação, a aversão de Erdogan aos custos de empréstimos mais elevados também foi associada às proibições islâmicas da usura. Para ele, os produtores têm de repassar aos clientes os juros que pagam, por isso aumentam os preços.

Os recentes cortes nas taxas empurraram os rendimentos reais ainda mais para território negativo, com a inflação ao consumidor subindo para 19,89% anuais em outubro. A lira enfraqueceu mais de 10% em relação ao dólar somente neste trimestre, a pior entre todas as principais moedas monitoradas pela Bloomberg.

PUBLICIDADE

Leia também

Musk segue vendendo ações da Tesla, agora quase na metade da promessa

Últimas BrasilLira turca