PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Não dependemos de Covid, diz CEO do Fleury sobre receita recorde

Grupo de medicina diagnóstica registra menor participação dos exames de detecção da Covid-19 no faturamento do terceiro trimestre

Grupo Fleury vê recuperação dos testes laboratoriais e de imagem no terceiro trimestre e redução da procura por exames de detecção da Covid
29 de Outubro, 2021 | 12:54 pm
Tempo de leitura: 5 minutos

São Paulo — O Fleury, um dos principais grupos de medicina diagnóstica do país, está virando a página da pandemia. Os testes para a detecção da doença tiveram a menor participação no faturamento da companhia no terceiro trimestre, à medida em que a vacinação imunizou mais da metade da população, e os brasileiros voltaram às unidades para fazer outros exames laboratoriais e de imagem - alguns tratando sequelas deixadas pela Covid-19.

De julho a setembro, a receita bruta do Fleury atingiu R$ 1,1 bilhão, um novo recorde. Nos nove meses do ano, o indicador já totaliza R$ 3,1 bilhões, um crescimento de 39,4 %. O desempenho resultou em uma alta de 162,8% do lucro líquido ajustado, que somou R$ 308,7 milhões entre janeiro e setembro. Os exames para Covid-19 representaram só 6% da receita bruta, com a realização de 400 mil testes no terceiro trimestre (RT-PCR e sorologias).

“O recorde da receita bruta demonstra um crescimento forte dos exames eletivos, tanto de análises clínicas como os exames de imagem. Não dependemos de Covid. Este é o trimestre em que o percentual da receita é o menor possível comparado aos outros trimestres”, diz a CEO do Fleury, Jeane Tsutsui, em entrevista à Bloomberg Línea.

Veja mais: Grupo Fleury adquire laboratório tradicional em Pernambuco

PUBLICIDADE

Os exames de imagem tiveram um crescimento de 16,8% no terceiro trimestre em relação a igual período do ano passado. “Mesmo quando a gente compara com o pré-pandemia, com 2019, houve um crescimento de 10,6%, mostrando realmente um crescimento dos exames eletivos. Outro ponto: a gente vem crescendo com os exames de genômica, que tiveram um crescimento de 43%. Isso é importante porque havia aquela dúvida ‘e os exames de Covid?’ Eles estão perdendo sua participação trimestre a trimestre, e os exames eletivos recuperaram força total”, afirmou a CEO.

Pós-Covid

A menor procura por exames de detecção da Covid não significa que a doença ainda não provoca demanda de outros procedimentos na rede de laboratórios. As unidades do Fleury já oferecem o chamado “check-up pós-Covid”, uma bateria de bateria de exames para acompanhar a saúde de quem foi acometido pelo novo coronavírus.

“Neste trimestre, a gente lançou o check-up pós-Covid. Até 20% dos pacientes que tiveram Covid ficam com sequelas respiratórias, neurológicas, cardiovasculares, e podem necessitar de outros cuidados com a saúde”, afirmou Tsutsui.

Veja mais: CEO do Grupo Fleury fala sobre transformação digital e telemedicina

PUBLICIDADE

A estratégia do grupo foca na oferta de novos serviços, como sua plataforma digital de saúde (a+ Medicina Diagnóstica) e o atendimento móvel (equipe vai ao domicílio do paciente), que apresentou crescimento pelo 6º trimestre consecutivo, com ganhos de 0,5%, representando 7,3% da receita bruta.

“Temos também um novo aspecto, que é o crescimento nas novas avenidas. Temos falado em novos serviços, plataforma de saúde, oftalmologia, ortopedia. Neste trimestre, esses novos serviços além da medicina diagnóstica representaram 7,8% da receita. Se você for ver o trimestre passado, era 4%, mostrando que a gente tem uma avenida de crescimento de crescimento com relação a esses novos elos. E mais importante: a gente cresceu do segundo para o terceiro trimestre, e melhorou a margem Ebitda também”, comentou a CEO.

Em nove meses, o grupo reportou um Ebitda recorrente de R$ 835,4 milhões (+54,9%) com margem recorrente de 29,3%. Já a margem líquida ajustada subiu de 5,7% (nove meses de 2020) para 10,8% (mesmo período de 2021). “Não é nenhum guidance, mas a gente deve terminar o ano com uma margem igual ao do ano passado”, diz Tsutsui.

Ela alerta que as comparações entre os dados do terceiro trimestre deste ano e o de 2020 mostram uma distorção na análise do seu resultado financeiro, uma vez que a demanda estava represada no 2º trimestre do ano passado (quando reportou um prejuízo de R$ 73,3 milhões) devido às restrições do início da pandemia, o que provocou uma alavancagem operacional no 3º trimestre seguinte, ou seja, o grupo teve uma retorno rápido de receita entre julho e setembro de 2020, quando recuperou volume de vendas, renegociou aluguéis de suas unidades, voltando ao azul.

Aquisições

Outro destaque do Fleury no terceiro trimestre foi a conclusão de operações de M&A (fusões e aquisições), que elevaram a relação entre endividamento líquido e geração de caixa (Ebitda) de 1.1 x (segundo trimestre) para 1.3 x (terceiro trimestre). O CFO do grupo, José Antonio de Almeida Filippo, diz que isso se deve ao desembolso de quase R$ 300 milhões para o fechamento das aquisições no Espírito Santo (Pretti e Bioclínico). “Subiu um pouquinho, mas está em um nível baixo, bem saudável”, disse Filippo, que participou da entrevista de Bloomberg Línea com a CEO.

A dívida bruta do Fleury apresentou crescimento de 21,6% no trimestre na comparação anual, em função da 6ª emissão de debêntures, concluída em julho. Foi a primeira emissão de debêntures com metas atreladas ao desempenho ESG, no valor de R$ 1 bilhão, sendo a primeira série de R$ 250 milhões, a segunda de R$ 375 milhões e a terceira de R$ 375 milhões, com vencimentos em julho de 2025, 2026 e 2028, respectivamente. “Melhoramos o perfil da dívida, que está mais distribuída e mais longa”, afirmou o CFO.

PUBLICIDADE

Já a dívida líquida cresceu 75,1% na base anual, refletindo o menor saldo de caixa, em função do pagamento de R$ 293 milhões das aquisições de Pretti e Bioclínico, realizado no trimestre.

Novas unidades

No último dia 18, o grupo anunciou a aquisição do Laboratório Marcelo Magalhães, referência em medicina diagnóstica e análises clínicas em Pernambuco. O valor de avaliação dos ativos foi de R$ 384,5 milhões. O negócio, considerado pela companhia decisivo para ampliar a presença no Nordeste e capturar sinergias, ainda depende do aval do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica). Neste ano, o Fleury também comprou a Clínica de Olhos Moacir Cunha e o Centro de Infusões Pacaembu, além da Clínica Vita, que passa a ser a partir deste trimestre.

Graças a essas aquisições, o grupo de medicina diagnóstica tem eliminado a sobreposição de unidades de atuação. A CEO do Fleury cita, por exemplo, o caso do Rio de Janeiro, onde adquiriu em 2018 a rede de laboratórios de análises clínicas Lafe, com 32 unidades. “No Rio, a gente tinha um plano de abir novas unidades. Mas com a aquisição do Lafe, não faz mais sentir abrir novas unidades nesse local”, diz Tsutsui.

Essa situação fez o grupo suspender seu guidance de abertura de unidades de forma orgânica. Em 2016, o plano do grupo era a abertura de 73 a 90 unidades físicas de atendimento entre 2017 e 2021. Até agora, foram 55 pontos inaugurados, 25% menos do que o número mínimo antes planejado. O avanço do atendimento móvel na participação da receita da companhia também é citado como um motivo para desistir de abrir novas unidades.

PUBLICIDADE

Leia também

Imposto sobre combustíveis será congelado por 90 dias

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.