PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Green

Glasgow imagina futuro pós-Covid em evento paralelo à COP26

Residentes esperam que o evento também possa ajudar a definir um reinício pós-pandemia mais verde para a própria cidade

Mais janelas poderiam ser iluminadas com displays de luz, como estes criados para o bairro de Strathbungo, em Glasgow
Por Feargus O'Sullivan
28 de Outubro, 2021 | 08:43 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Enquanto líderes mundiais se preparam para a COP26 em Glasgow, alguns residentes esperam que o evento também possa ajudar a definir um reinício pós-pandemia mais verde para a própria cidade-sede.

“After the Pandemic”, um projeto paralelo à Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, incentiva comunidades de Glasgow a pensarem sobre como a maior cidade da Escócia poderia buscar um melhor reinício depois da Covid.

A cidade elaborou uma lista de ideias que poderiam resultar em novos bosques em propriedades vazias ou equipá-las como espaços de atuação improvisados, e estradas desativadas se transformariam em corredores de parques verdes e outras instalações públicas.

Lançado este ano pela consultoria de design Lateral North e pelos designers Fergus Bruce e Laura McHard, o projeto “After the Pandemic” realizará sua própria cúpula de 12 dias de palestras, workshops e apresentações na Universidade de Strathclyde a partir de 31 de outubro. O objetivo, que ressoa em muitas cidades, é desenvolver ideias e redes locais para garantir que, por um bom motivo, nem tudo volte exatamente ao “normal” durante o reinício pós-pandemia.

PUBLICIDADE

Glasgow é certamente uma cidade que poderia se beneficiar das mudanças. Apesar de ter uma das maiores rendas per capita do Reino Unido, possui a taxa de mortalidade mais alta do país, e a diferença de expectativa de vida entre os distritos mais ricos e mais pobres está crescendo. Uma onda de mortes relacionadas com drogas é tema de debate político.

Embora nenhum fator isolado pareça moldar esses resultados, a distribuição desigual de espaços verdes e lacunas na rede de segurança social não ajudam. Se a cidade não agir, a mudança climática pode agravar esses problemas, com invernos mais úmidos e maior risco de enchentes de verão com maior probabilidade de afetar a saúde e a segurança em moradias de baixa qualidade e vulneráveis a inundações.

Recuperar e tornar verdes os terrenos subutilizados é, portanto, uma preocupação central na cidade, diz Graham Hogg, codiretor da Lateral North. “O nome Glasgow pode ter significado originalmente ‘o querido lugar verde, mas agora o centro da cidade tem mais terrenos baldios do que parques”, disse após apresentação na conferência “Utopian Hours” em Torino, Itália, no início do mês.

Várias das propostas como parte do projeto são, portanto, convites “a pensar naquele espaço não utilizado não como um terreno abandonado, mas como um vazio, lugares de possibilidade onde as coisas podem mudar”, afirmou.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Conheça o Shiba Inu, token meme que vale quase metade do Mercado Livre

Bitcoin de graça? Dallas Mavericks estão dando tokens por 48 horas